Brasil Paralelo ganha direito de resposta na Globo

A produtora Brasil Paralelo se envolveu em uma polêmica no início desse ano por conta do documentário 1964: O Brasil entre Armas e Livros. O filme, hoje grande no YouTube, somando mais de 6 milhões de visualizações, foi alvo de uma campanha difamatória pela mídia esquerdista que redundou no boicote da peça nas salas de cinema da rede Cinemark. A acusação era de que o documentário era uma apologia à ditadura.

No entanto, o argumento ficou totalmente invalidado mediante à simples reprodução do vídeo. Para todos os efeitos, o grupo de analistas convidados, se não endossaram a narrativa reinante no mainstream acadêmico sobre o “golpe de 64”, também não pouparam críticas aos eventos que circundaram aquele momento da nossa história. Em suma, a produção, muito honesta na apreciação das fontes, é mais crítica que elogiosa ao governo dos militares.

Em vista disso, os responsáveis pela produtora entraram com uma ação contra a Globo. A emissora fez uma extensa reportagem no Jornal Nacional e publicou matérias por seus outros canais reforçando a narrativa de que o documentário era uma apologia à ditadura, à tortura etc.

A novidade é que o grupo ganhou a ação e, agora, terão direito de resposta na emissora. Segue a decisão da juíza Fabiana Zaffari:

“Com base em todo o exposto, defiro o pleito antecipatório, para o fim de determinar que a ré publique na íntegra o direito de resposta […] em todos os veículos (eletrônicos ou impressos) nos quais publicada a matéria objeto desta ação e com idêntico destaque, no prazo de até 10 dias, […] sob pena de multa diária de R$ 3.000,00, limitadas a 30 dias­/multa”.

 

Para quem ainda não assistiu ao documentário, segue o vídeo:

 


 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *