Anitta em apresentação na Virada Cultural 2019.

 

Uma cultura de mandiocas não é uma coisa que dá em árvores, não é algo dado, é algo que alguém, um ser humano, um agricultor, um cultor dos produtos agrícolas, precisa fazer. E é bom que o façam, pois essa cultura de mandiocas, ou de batatas, ou de tomates, redundará na nutrição de um maior número de pessoas, por um maior curso de tempo. Salvará vidas, portanto. Possibilitará a civilização, por fim.

Natureza é o que está aí. Cultura é o que fazemos com ela com o fim de melhorarmos a nós mesmos.

Se é assim no plano da mera nutrição do corpo, também o é no que diz respeito ao engordamento do espírito. Veja, a literatura ocidental começou com Homero e Otto Maria Carpeaux, o maior conhecedor dessa literatura, diz que o bardo grego foi o mestre insuperável em enobrecer o simples, o cotidiano, o comum.

Homero fala de tudo o que é humano; inclui na vida humana os deuses, que têm feição nossa, mas também o lado infra-humano e até animal da nossa vida. As fadigas físicas, a comida, o amor nas expressões físicas, tudo entra em Homero, e as palavras mais grandiloquentes sobre deuses e heróis dariam só um contraste desagradável com a realidade da vida descrita, se não fosse aquela quarta qualidade do estilo homérico: tudo parece dignificado, nobre, e não pela escolha de eufemismos, mas pelo emprego de adjetivos e comparações estereotipadas. A monotonia aparente dessas repetições parece dizer-nos: vejam, a vida humana é sempre assim, é eternamente assim; e esse aspecto das coisas sub specie aeternitatis dignifica tudo, sem desfigurar jamais a verdade.

 

E é esse o ofício do artista, esse cultivador dos alimentos da alma. Cabe a ele ver uma velha do campo sorvendo uma xícara de café numa manhã pacata de quinta e tirar daí um quadro comovente, um poema soberbo, uma canção memorável – algum testemunho fixo sobre a beleza, a bondade e a verdade da criação de Deus.

Daí que esteja equivocado quem defina cultura como qualquer coisa que deponha sobre o que é habitual a um povo em determinada época. O hábito, o dado, a banalidade do dia-a-dia é o mato inexplorado, a matéria-prima, a possibilidade de cultivo. Cultura é justamente a transformação disso, por meio do engenho humano, em algo que nos edifique, que nos torne mais humanos, mais semelhante ao Criador.

Baseados, porém, nesse entendimento errado sobre cultura – por burrice ou malícia –, os demagogos de hoje dizem, por exemplo, que funk é cultura. Entretanto, na mais caridosa das hipóteses, funk é um fato, um fenômeno delimitado espaço-temporalmente que cumpre o papel de constatar o presente estado de animalidade em que vive uma boa soma de jovens dos nossos centros urbanos, sobremaneira nas regiões periféricas, no início do século XXI.

O funk, desse modo, não é produto da cultura. É, antes, material a ser explorado por algum artista de gênio cuja missão aí seria mostrar a que buracos o gênero humano pode descer e, em conseguindo isso, talvez impedir que mais gente caia nesse inferno. Quem alcançar isso terá mérito semelhante ao daquele que ensinou, nalgum momento, que tal e qual planta é veneno a menos que a utilizemos desse e daquele modo que a transmuta de mal em remédio. Isso é cultura.

Digo tudo isso porque fizeram mais uma Virada Cultural aqui em São Paulo. Com efeito, do nome depreende-se que seja um dia atípico, momento em que o que há de mais significante no sagrado plantio das artes será exposto na feira da urbe para saciar almas enjoadas de comer mais do mesmo – do sexo livre, das drogas, da lacração e de todo este entretenimento niilista que nos vendem no mercado cotidiano.

Porém, as atrações de maior vulto – pois, faça-se justiça, tinha coisa boa, embora menos badaladas –, como sempre, foram rappers revolucionários e funkeiros escrachados. Quer dizer, reclamação infrutífera sobre a vida do pobre favelado de um lado, culto à putaria e à futilidade do outro.

Isso não é cultura de maneira nenhuma. Assim como o Cidade Alerta, puteiro da esquina e o programa da Regina Casé não o são.

Para encerrar com a mesma analogia nutricional, arrisco que o homem culto é aquele que está balofo de ouvir Carlos Gomes, Noel Rosa e Elomar, de ler Machado, Guimarães e Castro Alves, não o sujeito que está intoxicado desse banquete azedo feito de Anittas, Vittars, Emicidas, Konkas ou da dupla de sertanejo universitário da moda. De um lado temos a vida de um país, do outro, seu lento suicídio. A diferença é dessa grossura.

7 thoughts on “Virada Cultural?

  1. Excelente texto que mostra a diferença entre Cultura e expressão popular. Gostaria de acrescentar, utilizando a simbologia de cultura agrícola, muito bem observada pelo Fabio, que esta não existiria sem o trabalho em conjunto com o Divino, ou a Natureza por Ele criada. As culturas plantadas definhariam, pois o que vem da Natureza, água, os nutrientes da terra e a insolação principalmente, tudo definharia sem a associação com o Divino. Assim é com o homem. Sem a razão recebida e desenvolvida da observação da própria natureza, sem a estrutura cerebral formada por ela ao longo de milhões de anos, não haveria cultura humana. A cultura é a associação do homem quando este interage com Deus e sua obra. Cultura é a busca do homem racional para melhorar a obra Divina, uma interação positiva do homem com Deus. O que vimos na virada cultural é a demonstração de seu lado animal, uma expressão de sua miséria.

  2. Infelizmente, no nosso país cultuam o que é inapropriado, o que é indecente e imoral. Fere nossos olhos, ouvidos e nossa mente com tanta baixaria. Uma enxurrada do mais puro besteirol. Acordem ‘massa’ idiota.

  3. Lindo texto, mas, por sugestão (claro que não é obrigação), seria interessante escrever fato com c: facto. fato sem c vem do árabe hatu, que significa conjunto de roupa com duas peças do mesmo tecido. Também significa vísceras de animais, agrupamento de bandidos, móveis. etc. É triste que tenhamos perdido, em Brasil, nas inúmeras reformas ortográficas, a etimologia latina do português para agradar os “eruditos” da Academia e do Congresso (que retiraram o c de facto e contacto, e note que há em contato uma cacofonia, visto ser Tato, nome próprio. Isto para não falar em contatar, a soar-nos com Tatá).

    Obrigado, continue na boa luta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *