Tabata Amaral e o milésimo conto do vigário esquerdista

Foto: Jane de Araújo / Agência Senado.

A moral e a ética do marxista

O que um liberal-burguês não consegue conceber é que o marxista em particular e o revolucionário em geral não raciocinam dentro dos mesmos esquemas mentais prescritos pela lógica convencional, e, portanto, também não agem conforme se espera que aja quem esteja submetido à moral e a ética greco-cristãs. Na verdade, o marxista acha tudo isso uma bela palhaçada inventada para servir como porrete e algema ao opressor, e que, portanto, eles mesmos podem usar ou rejeitar, circunstancialmente, conforme seja útil ou não ao processo revolucionário, fim e meta de todas as suas ações.

Por conseguinte, não há valores e nem regras de conduta fixas e imutáveis para o marxista, não importa qual seja sua coloração, se azul ou vermelho, o seu grau de engajamento com a causa, ou seu nível de ansiedade para precipitar mais cedo ou mais tarde o futuro prometido. Isto, pois, o pano de fundo cosmovisional de todo marxista – esteja ele consciente disso ou não – é o mesmo. O marxismo, por um lado, é fruto do historicismo alemão que, por princípio, descarta a existência de valores absolutos e entende os valores relativos de cada cultura e época como meros produtos convencionados do tempo e do lugar. Por outro lado, é filho da dialética hegeliana, que interpreta o curso histórico como uma permanente tensão de forças opostas que concorrem para os saltos qualitativos dos seres humanos no tempo num processo incoercível que há de culminar na síntese final que Hegel achava que era o Estado Moderno e Marx o mundo comunista.

Quer dizer, o marxismo é, pela lógica interna da cosmovisão que o anima, autocontraditório e amoral. Ele se alimenta das contradições, cresce a partir disso, e só julga o valor das coisas pelo critério de aproximação ou afastamento da meta revolucionária. Se ajudou, foi bom; se atrapalhou, foi um erro.

Por isso não há espanto algum caso um comunista reprima duramente um gay na Rússia, na China ou em Cuba e, do mesmo modo, promova, com todos os confetes, a gandaia LGBT nos demais países do Ocidente que ainda não estejam sob seu controle. Pois, de um lado, pode ser que a difusão da homossexualidade comprometa a ordem imposta pelo Partido, enquanto, do outro, pode ser que concorra à destruição de certas estruturas sociais que atravancam o processo de ascensão desse mesmo Partido. Do ponto de vista do ocidental-burguês-cristão, há aí um escândalo, uma hipocrisia mendaz a ser desmascarada e denunciada dia-e-noite. Contudo, para o marxista, é a normalidade, o padrão, o bom comportamento, a atitude a ser louvada.

Daí que, assim que um facção marxista, com certo viés e discurso, esteja sob ataque e perca prestígio no debate público – ou porque mataram gente demais ou porque roubaram além do razoável – seja muito fácil e até banal que eles apresentem às massas uma nova versão, que, pelo verniz, pareça ser uma feroz oposição à anterior, e, com isso, ludibriem, como a crianças, os inocentes burguesinhos que acreditam que tudo na política funciona dentro dos cânones do debate racional, do Estado de Direito iluminista, da ética meritocrática liberal e do bom-mocismo cristão travestido de virtudes cívicas, motivos pelos quais, concluem, ninguém seria capaz de um jogo sujo como esse. E é por conta desse horizonte de consciência simiesco que o liberal-burguês resume todos alertas contra os comunistas à teorias da conspiração, afinal, pensam eles, ninguém seria mau assim.

 

Tabata Amaral e o milésimo conto do vigário

É por tudo isso que uma simples jogada da deputada Tabata Amaral, eminentemente de esquerda, fez com que a mocinha se tornasse, de uma hora para a outra, a musa dos isentos, de alguns liberais e mesmo de certos conservadores, a despeito de todo ceticismo e prudência.

A jovem deputada é, evidentemente, a cara da nova esquerda, não só no Brasil, como na Europa e nos EUA. Todos os eventos importantes dos últimos quatro anos, denotam, sem chances de dúvida, que, pelo menos contingencialmente, a narrativa da esquerda new left, com seus apelos agressivos e sua estética escatológica calcada na agenda das minorias e no politicamente correto, perdeu a validade. Houve um evidente processo de distanciamento dessa esquerda blasé e elitista, com seus códigos de linguagem indecifráveis e suas pautas exóticas, da massa popular. O trabalhador, o pobre, a mãe de família, o cidadão comum, foram se tornando indiferentes aos gritos blasfemos das meninas de cabelo colorido e peito de fora em frente às Catedrais, ou ao negro perpetuamente coitadista tentando impor, a Deus e o mundo, a capoeira, o cabelo black e o rap como obras de valor universal, ou aos beijos gays incluídos, uma hora ou outra, em todas novelas das oito para chocar a família tradicional. Tudo isso, para usar o bom português, deu no saco do povão. Daí que nos EUA, principal polo produtor dessas ideias, elegeram Trump, e no Brasil, maior laboratório de extravagâncias desse gênero, elegemos Bolsonaro, ambos ganhando popularidade justamente por irem “contra tudo que está aí”, ou seja, contra essa forçação de barra da esquerda universitária que dormiu em 1968 e não acordou mais.

Tendo, então, que lançar um produto mais palatável no mercado, a esquerda tem apostado em: lideranças jovens – ou velhos com tipão juvenil, como um João Dória ou um Macron –; gente com discurso mais moderado e racional; gente formada em boas universidades ocidentais; que defende, em público, mas de modo menos histriônico, agendas radicais como o aborto e a ideologia de gênero; que seja defensor e, de preferência, membro das minorias, mas que, por precaução, se utilize desse estratagema de modo mais sutil; que é alinhada com a lógica do mercado global; que acha a ONU bacana; e que vai, todo ano, às palestras de gente como Jorge Lemann, um globalista de marca maior.

Isso é a Tabata Amaral. A moça é a síntese desse novo processo de dialética interna do movimento revolucionário. Tabata, por um lado, é mulher, feminista comedida, jovem engajada, universitária de sucesso, esquerdista moderada e de origem pobre. Ou seja, escusando o fato de ela não ser negra nem lésbica, a moça gabarita todas as exigências da esquerda lacradora. Porém, por outro lado, é aquela que: subiu na vida pelos méritos – aqui o liberal já se derrete –;  defende suas pautas com argumentos racionais, apresentado dados e o escambau – e os olhos do liberal brilham–; e, o melhor, não se mete com militância fanática – e nisso o liberal já suspira de amores.

Estas últimas credenciais, vale lembrar, até ontem, eram odiadas pela esquerda diversitária radical que, então, estava na crista. Mas, para o marxista, não há problema nenhum se, daqui para frente, essas coisas se tornarem os símbolos máximos da virtude. Claro que o gado militante, que não é necessariamente informado desses plot twists do movimento, vai escoiçar. Só que eles mesmos são descartáveis, massa de manobra, idiotas uteis. E não há problema nisso, dentro da ótica marxista. O que importa é conquistar uma nova freguesia que lhes garanta o poder e espaço para emplacarem, de modo mais acelerado ou mais cauteloso, uma a uma de suas agendas. É assim que eles avançam, e é assim que perdemos. Sempre.

Aliás, pelo andar da carruagem, com mais uma ou duas boas ações da esquerdista exemplar, somadas ao aceno de João Dória que declarou que a Tabata é (sic) “o rosto, a alma e o coração do novo PSDB”, temos uma boa pista sobre por quais vias periga a esquerda voltar ao governo já em 2022. Ou a liberalzada não ia delirar de prazeres diante de uma chapa Dória-Tabata (ou alguém que a equivalha) contra o bronco conservador Bolsonaro?

15 thoughts on “Tabata Amaral e o milésimo conto do vigário esquerdista

  1. Eu sou a favor de entregar logo o que os marxistas querem e acabar com essa luta. Eu já cansei, entreguemos logo o ouro ao bandido! F#da-se! Vamos acabar com isso de uma vez, não dá pra vencer. Na verdade, nós já perdemos há muito tempo, só quero que isso acabe de uma vez por todas

    1. Não percam tempo discutindo com fantasminha……é mais um esquerdopata sem nada para fazer! Eles gostam de gerar discórdia, melhor remédio para essa gente é não dar atenção. Descanse em paz!

  2. Vai cagar. Se você não quer lutar então assuma que é um covarde e não enche o saco dos outros. Pare de contaminar as pessoas com o seu derrotismo. Essa é a ultima chance de tirar esse país do buraco e nós vamos consegir!

  3. Ótimo texto Fábio! É a estória reciclada do lobo em pele de cordeiro. Já experimentamos isto antes com o Lula light.

  4. Excelente texto, sobre a tatibitante Tábata!
    A sedução da esquerda é eficiente, incansável. Hipnotizante, pois convence, por lhe fazer acreditar que é você que DESEJA não esta, mas outra sociedade. Ela só lhe mostra o caminho para o SEU desejo.
    Quando fujimos do sofrimento, esse companheiro imanente da existência, caímos nos braços da utopia de um mundo melhor.
    A realidade não tem como competir com a utopia dentro de uma mente fraca, que não sabe sofrer.
    Mas não podemos desistir! Ou eles vencem de vez! Mas temos que melhorar. Nosso papo é muito chato e boa parte da humanidade já está hipnotizada. Já virou zumbi.

  5. Ela é gata e inteligente, mas imposível a esquerda usá-la como novo padrão pelo simples fato de ser raro o perfil. Esquerdista é feio e mal educado. Grotescos como há 200 anos e como serão nos próximos 200. O que faz a diferença foi o choque de realidade ensinado pelo PT, derepende revela-se um organização criminisa sem precedentes. Tabata é uma adorável jovem. Não precisa ter medo dela. E sim de Dirceu, Lula, Dilma, Temer, Ciro, Marina…

  6. Queria saber como fazer a maioria dos brasileiros, aversos à leitura, ficarem com a inteligência mais aguçada, pelo menos parecida com a do Prof. Fábio Gonçalves.

  7. Simplesmente sensacional seu texto. Ao mesmo tempo em que fico surpresa do Brasil ter ido na contramão desse assustador cenário global e tenha elegido o Bolsonaro, é difícil se manter otimista quando vemos o futuro com clareza: nova vitória da esquerda, metamorfoseada para se manter perpetuamente no poder. Socorro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *