Tráfico de drogas na FAB tem sido alvo de investigação há 20 anos

Foto: STM

O episódio do militar da Força Aérea Brasileira que transportava drogas em um avião da FAB está longe de ser uma novidade para a Polícia Federal. Desde 1999, com a Operação Mar Aberto, a PF investiga a existência de um esquema de tráfico internacional de drogas que utilizava aviões da FAB.

Há 20 anos, a PF apreendeu 33 quilos de cocaína dentro de um avião Hércules C-130 na Base Aérea do Recife, que iria para as Ilhas Canárias. Na época a Polícia Federal descobriu que o esquema utilizava oficiais da Aeronáutica para descobrir as datas em que os aviões da FAB partiriam para a Europa e monitorar o embarque da droga, que era escondida em malas. O episódio se arrastou na Justiça por quase duas décadas. A sentença do major preso, condenado em primeira instância em 2000, só transitou em julgado (quando não há mais possibilidade de recurso) em 2018.

Os oficiais envolvidos na época foram processados e condenados, mas outros casos de tráfico de drogas ilícitas por militares ocorreram ao longo dos anos. O caso pode servir de alerta para um tipo de prática comum há muito tempo nas corporações militares.

Recente pesquisa feita perante a Procuradoria de Justiça Militar-RJ, com o auxílio do Analista de Inteligência, Coronel Diógenes Dantas Filho, constatou que, no período compreendido entre os anos de 2005 a dezembro de 2010, ocorreram crimes militares envolvendo drogas em diversas organizações militares (OM) das Forças Armadas.

Militares no poder

Desde a posse de Bolsonaro, as iniciais críticas de parte da imprensa às nomeações de militares para o governo logo arrefeceram diante de demonstrações de simpatia e cordialidade por parte de generais do alto escalão. Alguns setores ligados à imprensa chegaram a sugerir uma “tutela militar” que retirasse de Bolsonaro algumas atribuições. O escândalo surge em meio às reivindicações de uma intervenção militar constitucional (art. 142) que obrigue o Congresso a votar pautas de interesse do governo, o que restringiria ações tanto do Legislativo quanto do Executivo.

O episódio das drogas encontradas no avião da FAB, nesta terça-feira (25) recebeu grande repercussão por se tratar de um avião presidencial, embora reserva. A ala militar do governo Bolsonaro tem sido alvo de críticas por setores conservadores do eleitorado do Presidente, o que pode ter provocado a demissão do general Santos Cruz da Secretaria da Presidência no último mês, homem forte do governo, acusado por conservadores de interferir em áreas diversas do governo colocando indicados seus para funções estratégicas contrárias a Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *