O que é a Agenda 2030 e por que ela é perigosa para qualquer país

Em setembro de 2015, líderes mundiais reuniram-se na sede da ONU, em Nova York, e decidiram um plano de ação para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade.

Qualquer ser humano pensante que tenha alcançado a vida adulta deveria se dar conta imediatamente que os planos elencados pela Agenda 2030 são impossíveis. Mas então o que eles de fato irão fazer?

Seus enunciados cheios de esperança e aparente amor à humanidade, querem dizer, na verdade, que uma elite de administradores tecnocratas irá dizer a todas as nações como gerir os seus recursos naturais e humanos.

A Agenda da ONU é um conjunto de planos que noutras épocas haviam sido tratados como utópicos e infantis. Mas um certo deslumbre com a tecnologia, o considerável aumento do poder político e a sua centralização em poucas mãos, acabaram por converter utopias de salvação total da humanidade em aspirações e planos administrativos, chegando a um nível de detalhamento que nem os mais fanáticos ditadores ousaram imaginar.

A Agenda 2030 é, em princípio, um programa de desenvolvimento que se colocou de uma só vez acima de qualquer questionamento a todas as nações.

Os itens da Agenda são implementados por meio dos chamados ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), que atuam localmente nas estruturas administrativas federais, estaduais e municipais, através de parcerias. No caso do Brasil, há uma parceria com a Petrobrás para avançar a influência dos ODSs nos Planos Plurianuais.

Isso significa que o Brasil é administrado por princípios externos, ligados a uma agenda de controle administrativo que orienta o uso de recursos naturais e humanos, dentro daqueles princípios.

Questões como soberania nacional não entram em pauta, uma vez que os princípios dos ODSs reclamam para si uma autoridade sobre o sentido do destino do Planeta e consequentemente de todas as nações. Qualquer governo que tentar criar obstáculos a essa agenda será imediatamente tachado de desumano e contrário àqueles objetivos como “erradicação da pobreza” etc. Isso significa que nenhum governo terá poder de questionar sobre isso.

Todas as ações da Agenda 2030 vão no sentido do controle internacional de recursos naturais e da linha administrativa dos países signatários, como o Brasil.

Diante do Supremo Tribunal da Consciência

Diante do Supremo Tribunal da Consciência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *