Bolsonaro está certo em querer alinhar a publicidade das estatais

A grande polêmica da semana envolvendo o governo se deu com o caso da propaganda do Banco do Brasil tirada do ar por recomendação do presidente. A peça publicitária que gerou a confusão é toda marcada pela estética e linguagem de um certo tipo de jovem que a intelectualidade progressista toma como modelo a ser replicado. Nas roupas, penteados, gestos e falas dos atores é possível depreender todo um universo de bandeiras político-ideológicas como o feminismo, o movimento negro, a causa LGBT etc. Quer dizer, é o pessoal do “Ele, não” colocados como aquilo que há de mais representativo da nossa juventude. E isso dentro de um governo eleito com pautas claramente conservadoras.

Questionado sobre o caso, Bolsonaro deu a seguinte declaração:

“Quem indica e nomeia presidente do BB, não sou eu? Não preciso falar mais nada então. A linha mudou, a massa quer respeito à família, ninguém quer perseguir minoria nenhuma. E nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira. Não é a minha linha. Vocês sabem que não é minha linha”.

Declaração certeira. O que os opositores do governo – obviamente, incluído a grande mídia – fingem que não entenderam é que Bolsonaro foi eleito em um cenário polarizado no qual de um lado estavam justamente os grupos de pressão fabricados e patrocinados pela elite cultural e financeira progressista, ou seja, as “minorias” evidenciadas na peça comercial, e, do outro, estava o cidadão comum, aquele que está menos interessado em “quebrar os padrões da sociedade” e “lacrar” para os amigos do que em arrumar um emprego digno e sustentar sua família.

É importante salientar que essa interpretação não pretende colocar, em bloco, todos as pessoas que se identificam com a estética retratada no vídeo como vagabundos ou como militantes de uma das pautas ali implicadas. Pode perfeitamente haver uma eleitora do Bolsonaro negra, com cabelo rasteiro tingido de amarelo e que tira selfies fazendo biquinho. A questão não é essa. O problema é a mensagem geral que se quer passar, qual seja: a caracterização do jovem revolucionário de esquerda, que é uma exceção, como se fosse a regra, o normal.

É evidente que Bolsonaro também é o presidente dessa turma. Não obstante, foi eleito por uma maioria conservadora que é muito mais simbólica do espírito geral do brasileiro, incluindo os jovens, do que essas personagens psicodélicas da Vila Madalena ou do Leblon que querem enfiar à população goela abaixo.

Foi nessa linha a defesa de Rubem Novaes, presidente do BB, que concordou com a retirada do vídeo de circulação e, inclusive, afastou o responsável pela produção das suas funções. Em nota, ele disse o seguinte:

“O episódio da retirada do filme produzido para a propaganda do BB para a abertura de contas digitais pelo público jovem tem que ser visto em um contexto mais amplo em que se discute a questão da diversidade no país.

Durante décadas, a esquerda brasileira deflagrou uma guerra cultural tentando confrontar pobres e ricos, negros e brancos, mulheres e homens, homo e heterossexuais etc, etc. O “empoderamento” de minorias era o instrumento acionado em diversas manifestações culturais: novelas, filmes, exposições de arte etc., onde se procurava caracterizar o cidadão “normal” como a exceção e a exceção como regra.

Nas últimas eleições, diferentes visões do mundo se confrontaram e um povo majoritariamente conservador fez uma clara opção no sentido de rejeitar a sociedade alternativa que os meios de comunicação procuravam nos impor.

É este o pano de fundo para nossos debates atuais”.

É isso. O ato de retirar o vídeo e a justificativa estão totalmente em sintonia com a linha do novo governo. E, sendo assim, se responde positivamente às demandas do povo que colocou Bolsonaro no Planalto, entre outras coisas, exatamente para combater a hegemonia cultural esquerdista. Ponto para o governo.

2 thoughts on “Bolsonaro está certo em querer alinhar a publicidade das estatais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *