As manifestações e o amadurecimento político do brasileiro

 

Ontem o brasileiro demonstrou que deu mesmo um passo adiante no processo de amadurecimento político. A população, enfim, parece ter um projeto claro de país: quer um Brasil mais seguro, melhor equilibrado economicamente e mais livre de corrupção. Porém, além do projeto, o recado das ruas é que esse povo não vai dar sossego para quem, em nome de benefícios próprios ou conchavos grupais, atrapalhe o plano.

No Brasil, o cidadão comum, até pouco tempo, era um fatalista quando o assunto era política. Em sua visão das coisas, nada que fizesse ou dissesse poderia jamais atrapalhar o eterno jogo das velhas raposas donas do poder. Havia, pelo contrário, uma aceitação, expressa ou tácita, de que político rouba mesmo e, nós, inertes, não temos meios sequer de questionar quanto menos de impedir. A roubalheira, o toma lá da cá, os acordões, eram os fatos consumados. Política é assim. Político é isso mesmo. Aliás, política nem se discute. Era essa a cartilha.

Entretanto, de 2013 para cá, o cenário começou a apresentar uma nova perspectiva.

A classe média foi às ruas em 2013 e 2014. Ali, uma série de trapalhadas de Lula e sua trupe como que arrastaram a massa indignada às manifestações. E motivos não faltavam. Tinha o recesso econômico batendo às portas, o dinheiro esbanjado em construção de estádios e ginásios para a Copa do Mundo e as Olímpiadas enquanto o povo minguava nos hospitais dos estados e municípios falidos, a escalada de violência urbana que transformou o país num lugar menos seguro que a Síria e a corrupção correndo solta que nos colocou em posição de destaque em tudo que é ranking de ladroagem pública do planeta. Com relação a este último ponto, vale lembrar, somou-se, como fator de propulsão à rebelião das ruas, o sucesso da Lava Jato, encabeçada pelo corajoso e competente juiz Sérgio Moro que, milagrosamente, conseguiu pôr as mãos em gente muito graúda.

Em 2015 e 2016, tudo isso se concretizou em um alvo comum: a Dilma e o PT. Abriu-se a possibilidade de um expurgo institucional daquilo que condensava todos esses males e, por isso, a sociedade levantou, junta, a bandeira do impeachment. Em torno dessa pauta, que era simples, concreta e objetiva, reuniram-se grupos que iam da extrema-direita intervencionista à centro-esquerda tucana, isolando só os puxadinhos do PT na outra margem do espectro político que, até hoje, gritam que aquilo foi um golpe.

Depois de exorcizado esse demônio, em 2017 e 2018, enquanto Temer, hoje detento, se enrolava para se equilibrar no cargo, desagradando gregos e troianos, a massa começava a pensar em um substituto que não pusesse a perder o que havia conquistado até ali.

O fato é que um fenômeno novo havia se cristalizado. Esse povo, sem lideranças, sem um partido ou sindicato, sem uma linguagem comum, que só relacionava circunstancialmente graças ao elemento material sem o qual nada disso seria possível, qual seja, as redes sociais, este povo transformara-se num novo player do tabuleiro político e precisava de alguém, lá no Planalto, que se propusesse a fazer uma dobradinha, uma parceria honesta entre governo e governados.

Bolsonaro, então, foi o escolhido para continuar essa revolução à brasileira. Pois, sim, estamos vivendo um processo revolucionário. Uma revolução pacífica protagonizada por uma parcela da população politicamente ativa que, oprimida pelas circunstâncias, gritou, bateu panela, vaiou, tuítou e, no fim, fez-se ouvida. Fez-se ouvida e quer continuar sendo. E resta claro que o que essa gente quer não é uma Israel Celeste para ontem. O povo quer um país minimamente nos trilhos. Quer toda a sorte de bandidos, do corrupto ao homicida, sendo tratado com o rigor que se deve; quer uma economia estável; quer algumas liberdades individuais. Só.

Deu-se, pois, que em mais uma mostra de sua força, a massa, a despeito de toda a elite intelectual e política, colocou seu escolhido no Planalto.

Eis aqui o ponto de tensão. Seria de esperar que o brasileiro, aquele fatalista, depois de ralar para derrubar o PT e não sofrer menos para eleger o Bolsonaro, largasse mão, desse de ombros e declarasse: “Se agora não resolver, que se lasque! Minha parte já fiz”. Todo mundo esperava esse relaxamento, esse esvaziamento do ímpeto. E quebraram a cara, de novo.

O que aconteceu ontem foi decisivo para mostrar, de uma vez por todas, que o fenômeno observado nesse recorte de 2013 a 2018 não é só fogo de palha. O povo realmente tomou consciência da situação política do país (seja pela realidade concreta lhe batendo à porta, seja pelo amplo debate que se abriu nas redes sociais) e, melhor que isso, aprendeu qual é o seu papel nesse jogo (e aprendeu na medida que viu funcionando o poder positivo da reivindicação).

As manifestações de ontem foram uma verdadeira extensão das urnas, o que, do ponto de vista da maturidade da sociedade civil, é uma maravilha. É o povo que votou mostrando-se ciente que não é suficiente votar – como querem boa parte da classe política e seus defensores na grande mídia. O povo aprendeu que precisa cobrar, questionar e pressionar, incessantemente, durante todo o ciclo político. É como quem diz: “votei pela Reforma do Paulo Guedes, então quero a Reforma do Paulo Guedes, e ponto”. Isso é a democracia funcionando. E isso é inédito no Brasil.

Por fim, a única saída institucional para a crise da Nova República parece ser essa. As ruas mostraram que o povo, ainda paciente, acredita no bom senso dos políticos, acredita que suas demandas serão atendidas. Ou seja, o povo cumpriu brilhantemente seu papel dentro das possibilidades de uma democracia ocidental moderna. Resta saber se a resposta dos poderosos virá com a prudência de um Sólon ou com o desdém trágico de uma Maria Antonieta.

Todos queremos a primeira opção.

 


 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *