Jornal espanhol propõe guia para sabotar Bolsonaro

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) fala à imprensa após gravação de campanha, no bairro Jardim Botânico. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Publicado no dia da posse de Bolsonaro, o artigo de autoria da colunista Renata Ávila, que pertence ao movimento de esquerda europeia pró migração e anti-Brexit DIEM25, propõe cinco passos para neutralizar o presidente brasileiro nos primeiros 100 dias de seu governo. Entre as sugestões estão o apoio à liberdade de Lula, o reforço na fiscalização do governo em busca de escândalos de corrupção e campanhas contra a “apologia da legitima defesa” de brasileiros. A autora conclama todos a um “compromisso intelectual e jornalístico contra o fascismo”.

O texto é um apelo para uma colaboração internacional que envolve articulações financeiras tidas como certas.

A convocação para a ação da esquerda no meio jornalístico e intelectual quer desestabilizar o governo de Bolsonaro. Ávila traça um perfil da posse de Bolsonaro como a marca de uma espécie de apocalipse para a América Latina, cujo destino estava muito melhor nas mãos do Foro de São Paulo e do Diálogo Interamericano.

Diz a autora: “rapidamente se consolida um eixo destrutivo que vai muito além de Erdogan e Donald Trump”. Segundo ela, o novo governo do Brasil faz parte dessa “onda fascista” que se consolida também na Àsia, com Duterte, no Oriente Médio com a Arábia Saudita e na Europa com Victor Orban (Hungria) e Salvini (Itália).

Hoje, o país mais poderoso da América Latina se une a uma agenda que visa acelerar a destruição do planeta, destruindo o consenso duramente alcançado entre os países do mundo.

O mundo não pode se omitir e ficar passivo diante disso, diz ela. É preciso “mitigar os danos”…”na maior e mais ameaçada democracia do continente”. A autora chega a oferecer auxílio aos militantes da esquerda brasileira que colaborarem internacionalmente. Ela fará isso porque, entre outras atribuições, Renata Ávila faz parte da coordenação do movimento DIEM25, um movimento progressista da Europa que tem causas como migração, contra o Brexit e representa um dos eixos atuais da Agenda Progressista da União Europeia. Ela também é fiduciária da Courage Foundation, que luta em defesa de Edward Snowden. Dinheiro e influência não lhes falta.

Recomenda, portanto, uma série de cinco passos necessários para implementar essa agenda de desestabilização do governo.

As cinco ações para neutralizar Bolsonaro (ou o Brasil)

Primeira: Escolha das vozes certas. Enfatizar internacionalmente a voz e perfis das novas autoridades progressistas no Congresso, especialmente das mulheres [de esquerda, evidentemente]. Utilizar vozes reconhecidas internacionalmente (FHC?) que possam retratar em primeira pessoa e denunciar ao mundo os abusos do novo governo. A autora do guia se oferece para apoiar equipes e coordenar agendas junto ao Parlamento Europeu para estreitar os vínculos com parlamentares da esquerda brasileira e dos EUA.

Segunda: Municipalismo 2.0. Reforçar em termos locais, municipais, forças progressistas para enfatizar toda e qualquer medida de austeridade governamental colocando-as em oposição à proteção dos mais vulneráveis, conclamando a defesa deles contra a “violência de estado”. Apoiar os municípios progressistas e conectá-los às redes internacionais que representam a agenda globalista, chamada de “redes internacionais que fazem frente à ‘agenda da internacional nacionalista'”. Recomenda foco especial nas eleições municipais brasileiras de 2020, prioritárias para gerar um efeito das midterms norte-americanas. “Ainda está em tempo de formar toda uma nova geração de candidatos a vereador e prefeitos jovens que tenham a capacidade de, a partir do local, devolver a fé na política”. Em outras palavras, estimular a candidatura de novos militantes com a promessa de ajuda internacional.

Terceira: Proteger a oposição, seja política, jornalística ou intelectual. Continuar apoiando a liberdade de Lula “sem baixar a guarda”. Lutar contra a “criminalização da oposição” [como a Lava Jato], leis antiterroristas, “ameaças à liberdade de expressão, de cátedra [escola sem partido]”. Deste passo faz parte também a luta para que ninguém esqueça da execução de Marielle Franco, relacionando-a com o “aumento dos assassinatos de líderes  campesinos”. Acrescenta ainda que “existem claros planos de atentados contra a oposição” (!)”. E continua: “o vigilantismo, o relaxamento das leis de porte de armas, e a apologia à ‘legítima defesa’ unicamente pioraram o cenário”, diz a autora, que parece claramente tratar o direito à legítima defesa dos brasileiros como uma séria ameaça às agendas globais.

Quarta: “Observar a ‘outra’ corrupção”. Este ponto recomenda a fiscalização implacável e rigorosa com as compras e alianças militares, privatizações, projetos e possíveis benefícios fiscais. Lutar contra a normalização das políticas econômicas de Paulo Guedes, colocando-as como beneficiárias de “grandes corporações e grupos financeiros mundiais”. Fiscalizar também as ações que visam limitar políticas ambientais e “saúde reprodutiva” (aborto).

Quinta: “Tolerância zero com os retrocessos em matéria de Direitos Humanos”. Em nome das agendas de paz e tolerância, a autora recomenda não tolerar qualquer medida que entenda por direitos humanos algo diverso dos “consensos estabelecidos internacionalmente”. Aplicar em conjunto sanções a práticas repressivas, principalmente de modo a evitar que outros países da América Latina sigam o “bolsonarismo”. Neste ponto, a autora faz um alerta: “temas tão críticos como a situação da Palestina e possíveis intervenções militares na Venezuela poderiam dar lugar a uma crise e fazer com que Bolsonaro construa eixos de consensos regionais”.

11 thoughts on “Jornal espanhol propõe guia para sabotar Bolsonaro

  1. Por favor, em que periódico foi publicado isso? Não encontrei o nome do jornal… quero rebater com amigos espanhóis esse assunto mas faltou a indicação do editorial.

  2. Por favor, quando publicarem matéria de acusação, coloquem a fonte na própria matéria. Nós que somos de direita gostamos de lisura e não uma mera acusação.

  3. Repetição de surrados mantras esquerdistas, sem nenhuma base na realidade brasileira. Esse mimimi da ala internacional esquerdista, claramente em consonância com a esquerda tupiniquim, querem que o Brasil continue sob a batuta da Orcrim que destruiu o estado brasileiro. Para essa senhora, o Brasil deve continuar sob a ótica do Foro de São Paulo. Ou é cega ou descerebrada.

  4. Uma excrescência, alem do que partida por um biltre espanhol. Venha vai fazer uma visita ao Brasil e quem sabe fazer uma Palestra sobre as suas tecnicas terroristas.

    Juizo cara !

  5. Essa “jornalista” deveria ser enquadrada na Lei de Segurança Nacional por crimes de calunia, incitamento à desobediência civil e desrespeito à soberania Bsrasileira e esse “Jornal Espanhol”, após devidamente identificado, deveria sofrer as sanções cabíveis por conivência.

  6. Jornalista comunista como quase todos aqui do Brasil. Na realidade trata de fascista àqueles que defendem a moral, a família e a Pátria. Não deve acreditar que existe Deus e sua Justiça. Mas no Brasil nada do que prega
    dará certo, o Brasil está sob a proteção do CRISTO JESUS.

  7. Há duas cidades ótimas para essa jornalista utópica passar umas ferias e desfilar pelas ruas sem preocupação : nos morros do Rio de Janeiro ou em Fortaleza; depois ela deverá ser atendida nas unidades do SUS para tratar os ferimentos a bala. Falácia de esquerdista usufruindo a vida na Europa com
    o dinheiro dos outros como todo esquerdista faz é bonita de se ver e muito perigoso para praticar.

  8. É FATO:
    “Hoje, o Brasil é o mais poderoso país da América Latina se une a uma agenda que visa acelerar a construção do planeta, promovendo o consenso duramente alcançado entre os países do mundo civilizado.
    VIVA A REPÚBLICA!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *