“Pastoral da Diversidade”, em MG, retrata confusão vivida na Igreja Católica

A criação da Pastoral da Diversidade, em Belo Horizonte (MG) é uma das ações que retratam bem a confusão moral vivida pela Igreja Católica. Sucumbindo à pressão do mundo da mídia, religiosos e leigos engajados justificam uma revolução nos valores cristãos por meio de palavras do Papa Francisco.

Depois da 5ª Assembleia do Povo de Deus, que refletiu a realidade concreta das famílias e afirmou a perspectiva de acolhida das suas diversas configurações, o padre Marcus propôs a criação da pastoral, que foi de imediato abraçada pelo reitor do santuário, padre Aureo Nogueira de Freitas. É ele quem afirma: “É hoje uma das mais vivas”.

Os organizadores, entre os quais se inclui o padre Marcus Aurélio Mareano, coordenam as reuniões com debates sobre a família e acolhimento, rezam e possuem até uma missa para organizar e cuidar da liturgia, no terceiro domingo de cada mês. Suas palavras de acolhimento resumem-se a contrariar o ensinamento cristão que condena a prática homossexual. Embora a Igreja sempre tenha acolhido homossexuais a se converterem, obviamente abandonando suas práticas, a nova doutrina pastoral incentivada por iniciativas como essa não pede para que o homossexual deixa de fazer o que faz. Trata-se de um acolhimento contra o preconceito, o que na concepção desses católicos, está em perfeita concordância com o que pede o Papa Francisco quando diz: “Se uma pessoa é gay, busca a Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?”.

O entendimento oficial da Igreja sobre a família, para estes católicos, já faz parte do passado:

O grupo funciona como qualquer outra pastoral de igreja, como a da Família, dos Casais ou dos Jovens. Eles se encontram a cada 15 dias na paróquia, debatem temas relativos a família e acolhimento, rezam e têm inclusive uma missa para organizar, no terceiro domingo de cada mês. Tudo é acompanhado pelo padre Marcus Aurélio Mareano e pela irmã Maria do Socorro, designados como assessores da pastoral.

A posição da Igreja e a confusão dos fiéis

Mesmo com um entendimento muito claro a respeito do assunto, por parte da doutrina da Igreja, os fiéis se encontram, em geral, confusos sobre como proceder, imperando uma verdadeira diversidade de modos e regras de conduta. O entendimento oficial da Igreja, hoje, vê os homossexuais como pessoas necessitadas de ajuda espiritual e pastoral, mas a orientação é para a vida de castidade e o abandono da vida de pecado. No Código de Direito Canônico, a Igreja considera o homossexualismo como um transtorno psíquico e passível de auxílio da própria Igreja. No entanto, o Conselho Federal de Psicologia, entende que orientar para o abandono da vida homossexual faz parte de uma cultura de preconceito e proíbe o tratamento, mesmo nos casos em que a própria pessoa deseja abandonar o homossexualismo. Esta é a postura dos movimentos inseridos em iniciativas como a da Pastoral da Diversidade e outros como o Diversidade Católica que utilizam-se do nome de católicos para implementar mudanças dentro da Igreja, alterando assim a prática pastoral com fins no entendimento da doutrina.

Os católicos, em geral, se veem perdidos em meio à confusão doutrinal, sem saber o que aceitar ou repudiar, ou até que ponto a Igreja aceita os pecadores e repele suas práticas. Segundo a doutrina, um homossexual é apenas um pecador, não sendo impedido de frequentar missas, mas é privado da comunhão por causa da sua vida de pecado, uma situação objetiva. No entanto, um “casal” homossexual que se apresenta publicamente como tal, embora não possa ser impedido de frequentar missas, pode representar o próprio pecado e o desejo de torná-lo norma por meio do constrangimento dos fiéis. Com o tema do homossexualismo (assim como a realidade do pecado em geral) ausente das homilias, reina a confusão generalizada, onde cada fiel possui um sistema próprio de regras de conduta, para as quais só pode recorrer aos conselhos da mídia e telenovelas sobre o modo correto de se viver.

No livro Adeus Homens de Deus, de Michael Rose, é contada a história do lobby gay dentro dos muros da Igreja Católica, nos EUA, realidade que se espalhou pelo mundo e nem mesmo conta mais com desejo de ser ocultada. Iniciada com o trabalho de padres e bispos responsáveis pela seleção de vocacionados, que por décadas preferem os jovens com tendências homossexuais para serem ordenados, o clero foi infiltrado por um movimento global que reflete a tendência do mundo. Iniciada com a Revolução Sexual, nos anos 1960, o movimento gay internacional inclui, hoje, militantes pelo direito à prática da pedofilia e se inserem em todas as esferas sociais, incluindo as igrejas cristãs.

 

 

 

Escritor, Jornalista e pesquisador de mídia, mestre em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Autor do livro “A Transformação Social: como a mídia de massa se tornou uma máquina de propaganda (Estudos Nacionais, 2016)” e colunista no site Estudos Nacionais e um dos fundadores da RádioVox. Colaborador do site Mídia Sem Máscara e aluno do filósofo Olavo de Carvalho desde 2009.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta