O governo Bolsonaro e a censura… da oposição

Muitos arroubos histéricos rondaram a eleição de Bolsonaro. A mídia, em uníssono, alardeava que a democracia estava em risco. E nisso era seguida por figurões da acadêmica, por artistas engajados e por políticos concorrentes. Estes, inclusive, enxergaram nesse risco inventado a possibilidade, talvez única, de desbancar o favoritíssimo Bolsonaro que nadava de braçadas rumo a vitória. Inventaram, então, a Frente pela Democracia encabeçada, entre outros, pelos democratas do PT – grupo tão democrático que concede participação política mesmo a encarcerados.

Em toda sabatina que Bolsonaro ia, na Globo News, no Roda Viva ou no Jornal Nacional, o tema dominante era o pacto pela democracia, o respeito à Constituição como se de fato a ameaça existisse para além da imaginação de seus detratores. Aliás, só se falou disso nas entrevistas que se seguiram a sua vitória. A ditadura bolsonarista, aos olhos e ouvidos de toda classe falante, era fato consumado.

Acontece que, confirmada a vitória e passados 100 dias de governo, quem vem dando um verdadeiro espetáculo de atos antidemocráticos, tirânicos até, são seus opositores declarados ou os membros remanescentes da elite acuada.

Vejamos a lista:

Um primeiro fato antidemocrático do establishment – que quer preservar a democracia – foi a declaração de Fernando de Barros e Silva em um podcast da Revista Piauí, onde trabalhava como editor chefe, de que a Folha de São Paulo iria na linha de “prejudicar Bolsonaro fingindo fazer jornalismo”. Afinal, é papel da imprensa enganar democraticamente a população, para, só assim, assegurar a continuidade democrática.

E a turma da imprensa democrata, mais recentemente, deu mais uma aula de sua democracia stalinista: o Estadão publicou uma lista detalhada com principais apoiadores do presidente nas redes sociais – na clara tentativa de não só marcar o nome e o rosto de pessoas que lhes sãos hostis, mas, pior ainda, de prejudicar cidadãos privados que emitem suas opiniões nas redes e que foram tachados irresponsavelmente como jacobinos, ou seja, revolucionários sanguinários. Fazer lista de opositores… costurar uma estrela amarela no braço… viva a democracia!

Falando no distinto Estadão, o grupo, com sua agência de checagem, a Estadão Verifica, fechou recentemente uma parceria com o Facebook para conferir potenciais notícias falsas nas redes. Comprovada a falsidade, a agência pode lhes diminuir o alcance. O Estadão, portanto, ficará como o guardião da verdade na internet. O mesmo Estadão, ilibado que só, onde trabalha Constança Rezende, jornalista que, em entrevista a Jawad Rhalib no mês passado, disse que estava trabalhando no Caso Queiroz para arruinar o governo Bolsonaro.

Por esses dias, a nossa Suprema Corte, também muito ciosa dos rumos do Estado Democrático de Direito – inclusive com várias manifestações dirigidas a Bolsonaro em tom professoral sobre a importância de se respeitar a Constituição etc. – deu sua contribuição para o fortalecimento do regime. Agora, o STF, novo grande alvo do povo rebelado, passou a perseguir cidadãos que façam críticas à Corte nas redes sociais. Com a desculpa de que estão combatendo os subjetivíssimos “crimes de ódio”, os togados arrogam-se o direito de bisbilhotar e punir quem fale mais grosso contra, por exemplo, um Gilmar Mendes. Aviso-os, portanto: na próxima vez que o excelentíssimo soltar um bandido de colarinho branco recém encarcerado, todos de bico calado.

E a última desses arautos da democracia, da liberdade de expressão, do debate e tudo o mais: o humorista Danilo Gentili foi condenado a seis meses de cana porque fez piadas e um protesto contra uma parlamentar petista, a famigerada Maria do Rosário, que queria censurar sua conta no Twitter. Ora, quem não sabe que o suprassumo da democracia é utilizar a máquina pública para prender desafetos? Sobretudo se o sujeito for metido a piadista.

A conclusão é que a mídia, os intelectuais, os artistas e mesmo o Haddad estavam certos: o governo Bolsonaro trouxe consigo um risco à democracia e presságios de uma ditadura. Só que não sob seu comando.

 


 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *