Novo presidente de Cuba tem “sólida firmeza ideológica”, diz Raul Castro

Cuba terá o primeiro presidente sem o sobrenome Castro desde 1959, quando Raúl e Fidel tomaram o poder da ilha após uma revolução, transformando o país na mais longa ditadura comunista da história.

O engenheiro Miguel Diaz-Canel Bermúdez, de 57 anos, é o novo presidente após aprovação da Assembléia Geral, com 600 deputados.

Nesta quarta-feira, a mídia estatal cubana deu longas explicações para tranquilizar a população de que, apesar de novos rostos, nenhuma abertura ou mudança política e econômica ocorrerá. Ressaltou a superioridade revolucionária de Cuba frente ao mundo atual. Sua política do partido único e a economia socialista como superiores ao multipartidarismo democrático e à economia livre de mercado.

Como nas eleições legislativas de Cuba, todos os líderes votados na quarta-feira foram selecionados por uma comissão nomeada pelo governo. As cédulas oferecem apenas a opção de aprovar ou desaprovar o candidato oficial. Os candidatos geralmente recebem mais de 90% dos votos a seu favor.

A nomeação de Diaz-Canel foi recebida com ceticismo pelo deputado cubano-americano Mario Diaz-Balart, da Flórida, que comentou em seu twitter:

“Hoje, o regime cubano nomeou um novo fantoche. Assim como Fidel Castro nomeou Osvaldo Dorticós como ‘presidente’ até 1976, Raúl Castro nomeou Miguel Díaz Canel como o novo ‘presidente do Conselho de Ministros e Estado’. Raul Castro continua sendo o chefe do único partido ‘legal’ e as forças armadas, seu genro continua sendo o chefe da economia, seu filho continua sendo um alto funcionário no temido Ministério do Interior. A designação de hoje de um novo Dorticós não é nada demais.

Segundo James Williams, presidente do Engage Cuba, grupo que defende maior comércio e envolvimento com a ilha, disse que deve-se dar uma chance a Diaz-Canel. Mas observou que o novo presidente é em grande parte um enigma: em alguns pontos fazendo declarações progressistas, em questões como acesso à Internet e questões LGBT, mas também expressando uma linha dura nas relações EUA-Cuba e a liberdade de expressão.

“Não acho que o conheçamos plenamente”, diz Williams, acrescentando sobre a relação com os EUA que “nós sabemos que ele tem restrições. Mas nós não sabíamos que Gorbachev seria Gorbachev”. Apesar de ter que governar 11 milhões de pessoas, lembra, seu núcleo é composto de 30 pessoas que o colocaram no cargo.

Membro do Partido Comunista Cubano, Diaz-Canel foi empossado como vice-presidente de Raul Castro em 2013 e manteve imagem discreta. Começou a carreira como professor e construiu sua reputação como funcionário público. Foi subindo a cargos mais altos no Partido Comunista e ficou conhecido pela atuação política local, o incentivo às minorias de lésbicas, gays e transexuais do país.

Quando jovem, em sua província, tinha a popularidade de um astro de rock local, o que contrasta com a imagem atual de um funcionário quieto e obediente, sério e trabalhador. Com uma vida privada ocultada pelo partido, Díaz-Canel retém grande esperança de abertura por parte de analistas internacionais. Apesar da imagem de conciliador e bondoso, no entanto, foi protagonista de um vídeo vazado em que defendia a perseguição e fechamento de mídias independentes e acusava embaixadas européias de insurgirem-se “contra a revolução”.

Em uma de suas aparições, afirmou: “aqui estamos firmando uma relação entre governo e povo”. O discurso enfatizou a continuidade do processo revolucionário, mas também a renovação nas formas de fazer.

Maduro saúda novo presidente

O presidente venezuelano Nicolás Maduro comemorou, nesta quarta-feira, a nomeação de Miguel Días Canel como novo presidente de Cuba.

Meus cumprimentos. Irei visitar em breve o companheiro Miguel Días-Canel para cumprimentá-lo. Todo o apoio a Días-Canel, todo o apoio a Cuba, todo o agradecimento a Raúl”, expressou Maduro durante uma transmissão ao vivo no Facebook.

Fontes: Infobae, Fox News Cubadebate 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!