Influência islâmica no governo Temer preocupa diante de ataques em SP

A bomba da última terça-feira (2) preocupou os brasileiros. O ataque de muçulmanos a manifestantes, evento que foi tratado pela mídia como uma mera briga entre críticos à nova Lei de Migração e imigrantes palestinos, no centro de São Paulo, acendeu um alerta sobre a presença dos muçulmanos no país. Há alguns anos, ações no centro de SP e em diversas capitais já chamam a atenção da população. Assim como em outros pontos do país, crescem conversões à religião de Maomé.

Mas a atividade islâmica pode ter recebido mais um estímulo importante com a entrada do novo secretário de Assuntos Estratégicos da presidência, Hussein Kalout, que é presidente da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (FAMBRAS).

À frente da Federação, Hussein dá cursos e palestras sobre o mundo islâmico e a sua presença no Brasil. Atuava como especialista em Oriente Médio em colunas no jornal Folha de SP e concedeu muitas entrevistas e conferências sobre o tema.

Com a sua nomeação, em fevereiro deste ano, o projeto islâmico conta agora com apoio governamental. A FAMBRAS difunde a cultura islâmica desde 1979 no Brasil. Mas com seu presidente ocupando a pasta dos Assuntos Estratégicos, suas ações poderão alcançar uma maior abrangência.

Em março deste ano, a entidade se reuniu com o Ministério da Educação para apresentar sugestões e ações afirmativas em benefício da população islâmica no país. Na oportunidade, foi apresentado o projeto de construção do ALNUR – CENTRO DA CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA CIVILIZAÇÃO MUÇULMANA, que segundo a FAMBRAS, contribuirá na “civilização muçulmana no Ocidente” por meio de um curso oferecido pela entidade intitulado “Mundo Islâmico”. Foi proposto que o Ministério da Educação leve seus representantes ao curso em 2017. Para isso, um programa com dados da última edição do curso foi entregue ao Ministro.

As conversões

As conversões ao islamismo no Brasil têm crescido nos últimos anos. Segundo o sheik Rodrigo Rodrigues, que conduz as orações na mesquita no centro da capital paulista, as conversões de brasileiros ao islamismo têm se tornado mais frequentes. “Acho que todo sábado duas ou três pessoas se convertem aqui. Nós não registramos, porque acreditamos que a conversão é pessoal e espontânea”, disse à BBC Brasil.

O Censo 2010 do IBGE falava em cerca de 30 mil praticantes da religião no país, mas a Fambras estima que o número tenha saltado de 600 mil em 2010 para entre 800 mil e 1,2 milhão de fiéis em 2015.

A maior parte dos brasileiros, segundo o sheik paulistano, busca informações a partir de relatos da imprensa sobre conflitos envolvendo países de maioria muçulmana. “Elas querem saber o que é o islã, quem era Bin Laden, o que é Charlie Hebdo (revista francesa que, em janeiro, teve vários funcionários assassinados em ataque extremista). E quando leem algo sobre o islamismo e escutam os muçulmanos, pensam ‘pô, não é nada disso que eu imaginava. E acabam se convertendo'”, afirma.

Com a chegada de mais imigrantes de origem muçulmana ao país nos últimos anos, vindos de países como Síria, Líbano, Nigéria e Gana, romances com estrangeiros também atraem brasileiras curiosas aos centros islâmicos.

O que é a FAMBRAS

A Fambras foi fundada em 1979 por Hajj Hussein Mohamed El Zoghbi. À época, os mais importantes líderes de associações muçulmanas do país se reuniram em Brasília, e manifestaram total apoio para a criação de uma entidade que se comprometesse com o fortalecimento e unificação de suas instituições. A maior preocupação da Federação era ajudar a manter vivas as práticas do Islam.

Desde então, a FAMBRAS atua no âmbito religioso, social, econômico e diplomático. Dentro destas esferas, a instituição desenvolve projetos para a divulgação do Islam, ações educacionais e assistenciais, tanto em benefício da comunidade muçulmana quanto das comunidades carentes do Brasil.

A entidade foi primeira a implantar o conceito e o sistema halal no país (sistema de abate de animais segundo a Sharia, lei islâmica). Em 1981, após uma visita do ministério Awkaf do Egito e da Liga Muçulmana, sediada em Meca, a FAMBRAS passou a estruturar esse mercado no Brasil. Hoje o mundo sabe que o Brasil é o maior exportador de carne de frango e bovino halal do mundo. Somente por meio desse sistema de abate e tratamento alimentar foi possível, ao Brasil, exportar alimentos ao mundo árabe.

A organização possui sólidas parcerias com entidades islâmicas internacionais, que auxiliam direta e indiretamente, disponibilizando bolsas para o Hajj, cursos em países islâmicos, fazendo a impressão dos livros distribuídos nos Dawas, no Brasil, colaborando na doação de alimentos para o Iftar das mesquitas etc. Foi através dessas parcerias que, ao longo de sua trajetória, a FAMBRAS intermediou a construção de 37 mesquitas no país.

Hoje, a Federação das Associações Muçulmanas do Brasil se configura como a mais importante referência sobre o islamismo no país, e um dos principais modelos em certificação e difusão do conceito halal no mundo.

Notícias, artigos e estudos sobre a realidade brasileira e o contexto internacional. Selo editorial especializado em comunicação, sociologia e história recente do Brasil.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta