Vídeo mostra Óscar Pérez sendo cercado por tropas venezuelanas

Vídeo mostra Óscar Pérez sendo cercado por tropas venezuelanas

17/01/2018 0 Por Estudos Nacionais

Na última segunda-feira (15), foi divulgado um vídeo feito com celular pelo opositor do governo da Venezuela, Óscar Pérez. Óscar é ex-policial, e liderava um grupo de oposição ao governo. Ele se tornou conhecido ano passado, quando comandou uma grande rebelião contra o presidente Nicolás Maduro.

O vídeo foi feito, aparentemente, pelo celular do próprio Óscar e mostra a casa em que ele e um grupo de civis estavam escondidos. Na filmagem, eles tentam se render, mas as forças de segurança venezuelanas não cessam em atirar.

[av_video src=’https://www.youtube.com/watch?v=DMeFtCipNrg’ format=’16-9′ width=’16’ height=’9′]

Em vários momentos, Óscar diz: “Nós vamos nos render, parem de atirar.”

Após o cerco de segunda-feira, o paradeiro de Pérez era desconhecido, entretanto, o Ministério do Interior venezuelano anunciou nesta terça (16) que o policial dissidente foi morto.

revista estudos nacionais

No dia 27 de junho de 2017, Pérez e outros homens não identificados sobrevoaram a cidade de Caracas em um helicóptero da polícia, lançando granadas contra o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) e disparando tiros contra o Ministério do Interior, mas sem deixar vítimas. O fato se deu em resposta à onda de protestos que fora reprimida pelo governo Nicolás Maduro, deixando 125 mortos entre abril e julho de 2017. Desde então, Óscar publicou vários vídeos nos quais diz lutar contra a “narcoditadura” venezuelana.

Muito já se sabe sobre o envolvimento das ditaduras socialistas latino-americanas com o tráfico de drogas, inclusive, em reportagem anterior, é possível encontrar informações sobre a prisão dos sobrinhos de Maduro nos EUA por tráfico de drogas e, também, sobre o Foro de São Paulo, organização criada por Lula e Fidel Castro, responsável pela ditadura venezuelana e que possui ligação direta com as Farc.


Escrito por: Raul Effting

fontes:

[1] G1

[2] G1

[3] Terra