Perseguição de cristãos faz mais 120 vítimas fatais na Nigéria

Mais 120 cristãos são mortos na Nigéria por grupo terrorista islâmico

Pelo menos 120 cristãos nigerianos foram mortos desde o início de fevereiro de 2019 em uma série de ataques violentos que têm sido atribuídos aos militantes de etnia Fulani.

Somente no dia 11 de março, uma série de ataques deixou 53 mortos e 143 casas destruídas nos povoados de Inkirimi e Dogonnoma, no município de Kajuru situado no estado de Kaduna, na Nigéria.

Um dia antes no povoado de Ungwan Barde, terroristas assassinaram 17 pessoas e destruíram dezenas de casas. Um mês antes, cerca de 16 pessoas também foram assassinadas no mesmo povoado de Ungwan Barde em outra sequência de ataques nos dias 9 e 10 de fevereiro. O governador do estado de Kaduna impôs um toque de recolher na primeira semana de março na cidade de Kajuru, devido a eclosão mortal na região.

Em 26 de fevereiro, 32 cristãos foram mortos no Distrito de Maro, também no estado de Kaduna. Os terroristas queimaram uma igreja protestante e atiraram nas pessoas que estavam em fuga. Tal ataque também foi atribuído como obra dos militantes Fulani. Os legisladores locais dizem que os ataques deixaram pelo menos 3.000 moradores desalojados, sendo muitos por conta de lares destruídos e outros tantos que fugiram por segurança.

No estado de Benue, no dia 4 de março e em vários povoados, os ataques dos Fulani deixaram 23 mortos.

Os ataques de militantes Fulani na Nigéria aumentaram há cerca de um ano. O grupo étnico é de maioria muçulmana e muitos vivem como pastores seminômades.

As comunidades cristãs em regiões rurais da Nigéria são, normalmente, as maiores vítimas da violência por parte dos Fulani.

Além das diferenças religiosas e étnicas, alguns apontam que a razão da violência está na mudança da lei nigeriana que dificultou a busca por terras para os rebanhos dos pastores Fulani.

Em novembro de 2017, o governo nigeriano proibiu os pastores de colocarem o rebanho para pastor na propriedade de outra pessoa. A lei visava evitar confrontos entre pastores muçulmanos e aldeões cristãos – mas o bombardeio de ataques terroristas só provou que a mudança política, na verdade, aumentou as tensões.

Em abril de 2018 no estado de Benue, homens armados dos Fulani atiraram em uma igreja católica durante a missa da manhã, matando dois padres e cerca de 15 leigos. O assassinato dos sacerdotes provocou protestos nas semanas seguintes, com o clero católico pedindo ao governo nigeriano que protegesse melhor os cidadãos.

Em maio de 2018, terroristas suspeitos de ligação com os Fulani atacaram um seminário católico. Os atiradores atentaram contra dois sacerdotes e alguns seminaristas no Seminário Menor do Sagrado Coração, em Jalingo, capital do estado de Taraba na Nigéria. Eles espancaram os sacerdotes com porretes, atirando na perna de um deles e causaram danos em um automóvel e em outra propriedade.

Em junho de 2018, alguns fazendeiros cristãos supostamente atacaram pastores Fulani. Na série de ataques em retaliação que sucedeu-se, atiradores Fulani mataram cerca de 120 pessoas no estado de Plateau, na Nigéria central. O número exato de mortos era controverso: estimativas variavam entre 80 a 200 mortes.

O surto de ataques violentos dos militantes Fulani veio justamente quando ocorreu o declínio do grupo terrorista islâmico Boko Haram na Nigéria. As forças do governo derrotaram a organização terrorista com ajuda importante de potências estrangeiras – incluindo os Estados Unidos. Em meio ao terrorismo Fulani, uma parte da população nigeriana culpou o presidente Muhammadu Buhari, que é descendente dos Fulani.

O bispo da Diocese de Gboko no estado de Benue, dom William Amove Avenya, alertou no ano passado que o terrorismo Fulani poderia, rapidamente, trazer o genocídio total dos cristãos na Nigéria central.

Para a Fundação Pontifícia “Ajuda à Igreja que Sofre”, no ano passado, dom Avenya disse: “Por favor, não cometam o mesmo erro do genocídio em Ruanda. Aconteceu debaixo do nosso nariz, mas ninguém impediu e nós sabemos bem o final da história”.


Info:
Centro Dom Bosco  (reprodução)

The Christian Post

CSW


 
 

2 thoughts on “Perseguição de cristãos faz mais 120 vítimas fatais na Nigéria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *