Hungria proíbe universidade de George Soros por ser contra interesse do país

O Parlamento da Hungria aprovou na última terça-feira (04/04), uma lei que poderá fechar a Universidade Centro-Europeia (CEU), fundada em 1991 pelo bilionário húngaro George Soros, inimigo declarado do primeiro-ministro Victor Orban. A nova lei exige que os institutos acadêmicos que recebem financiamento estrangeiro tenham uma sede e programas no país de origem.

Mantida por George Soros e financiada internacionalmente, a CEU é considerada um estabelecimento anglófono, foi criada na Hungria pouco após a queda do comunismo para promover “a boa governança, o desenvolvimento sustentável e a transformação social”. Orban, que se diz “disposto a negociar com os Estados Unidos” sobre o futuro da universidade, acusou a CEU de “fazer trapaças” com a lei húngara.

“Os conservadores precisam lutar contra a campanha internacional para abolir nossas fronteiras financiada por George Soros”, disse o primeiro-ministro húngaro

Orban declarou à rádio húngara que existe uma campanha para dissolver as fronteiras dos países, algo que acontece dentro da Hungria e é financiado por George Soros. Ele ressalta que para viver ou estudar na Hungria, como em qualquer país, é preciso contar com a aprovação da população e do governo. Na CEU, são ensinadas as teorias de abolição das fronteiras e defendem uma Nova Ordem Mundial onde os governos dos países se submeteriam à governança global. A teoria do desenvolvimento sustentável é o embrião para um princípio de governança mundial.

“Essas teorias [de abolição das fronteiras]”, disse Orban, “são ensinadas pelas instituições de Soros e se infiltrou em um sem número de entidades internacionais. Devemos lutar contra elas, devemos argumentar contra elas e tornar suas operações transparentes, deixando claro que muitas vezes os seus princípios nada têm a ver com direitos humanos mas com a ganância de estrangeiros contra os países”.

Ele afirma ainda que, “estas ONGs não são organizações da sociedade civil, mas são apenas especulação à nossa custa”.

Oráculo da grande mídia global

George Soros tem sido fortemente opositor de Orban em seu país. Soros mantém centenas de ONGs pelo mundo, incluindo os EUA, onde financiou a campanha de Obama e de Hillary Clinton. Ele atua à frente da organização chamada Open Society, que abastece a grande maioria das agências de notícias globais por meio de sindicatos de colunistas de opinião associados às suas ideias.

A mídia internacional, repercutida no Brasil, deu mais destaque ao protesto de intelectuais e políticos pelo mundo contra a lei húngara e o fechamento da CEU, alegando, entre outras coisas, que essa universidade tem sido responsável pela formação de muitos políticos europeus.

Victor Orban, que é declarado inimigo de Soros, assegurou que o futuro da prestigiada universidade dependerá das negociações e acordos entre Budapeste e Washington.

Informações: Breitbart, IstoÉ, Agência EFE

Notícias, artigos e estudos sobre a realidade brasileira e o contexto internacional. Selo editorial especializado em comunicação, sociologia e história recente do Brasil.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta