Novo referendo pretende reverter Brexit

Novo referendo pretende reverter Brexit

11/06/2018 0 Por Estudos Nacionais

O grupo Best for Britain, contrário à saída do Reino Unido da União Europeia, propõe um novo referendo, em 2019, para reverter o Brexit.

Financiada pelo milionário George Soros, que há tempos tenta boicotar os planos do Brexit, a campanha pretende gerar um novo debate sobre os termos do plano de saída da União Europeia aprovado com o referendo de 2017, vencido pelo Brexit.

O novo debate, segundo a campanha, precisa estar amparado pela liberdade de opinião e confronto de ideias, as quais devem manter os termos atuais dos membros da UE. Cerca de 40 parlamentares já estão sendo convencidos de votar a favor da nova consulta popular. Uma das diferenças propostas pela nova campanha é o medo das redes sociais: para eles, o debate deve ser mantido em assembleias de cidadãos e não em campanhas digitais.

Para a campanha, o grupo vai mobilizar 50.000 ativistas voluntários, que vão visitar cidades e vilas a partir da próxima semana e “levar o debate ao coração do país”, prometeu a diretora, Eloise Todd.

Os debates serão feitos em espaços públicos onde serão escutados “diferentes pontos de vista, de pessoas com origens diferentes” de forma a criar uma “opinião construtiva, sem mentiras”.

Malloch-Brown recusou ser uma “marioneta de um estrangeiro” e garantiu ter mais de 8.000 doadores que entendem que deve existir um novo referendo quando estiverem disponíveis mais detalhes.

O antigo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros admite a hipótese de perder o segundo referendo, mas mostrou confiança num resultado positivo devido à inscrição de mais eleitores jovens, que são mais pró-europeus.

“A democracia é um constante processo de aprendizagem e que continua a ser revisitado. É um direito democrático dos eleitores mudarem de opinião. Percebemos nos últimos três anos que a realidade é mais complexa e os britânicos merecem o direito de ter uma palavra final”, vincou.

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do ‘Brexit’.

Agência LUSA