Malhação promove ideologia de gênero com aula sobre tema

Malhação promove ideologia de gênero com aula sobre tema

09/08/2018 0 Por Cristian Derosa

Constrangidos pelos pais de alunos a não trazer Ideologia de Gênero nas escolas, os militantes contam com a ajuda da Globo, que decidiu transferir a classe para a sala de estar das famílias. Se seu filho não tem aulas de gênero na escola, espere até ele chegar em casa e ligar a TV

Episódio da série trouxe verdadeira peça publicitária de propaganda da Ideologia de Gênero, convidando coreógrafa trans para falar sobre nome social e outras reivindicações. A dupla de atores responsável pela apresentação, deu aulinha explicando a “teoria” de gênero para uma platéia deslumbrada de alunos em uma sala cheia de luzes e cores, com direito a efeitos audiovisuais e luzes em arco-íris.

Não é novidade o engajamento de todos os produtos da Rede Globo na temática do gênero, a chamada teoria ou ideologia de gênero, por meio de personagens, opiniões ou imagens que fazem referência à temática LGBT. No último dia 2 de agosto, porém, a série Malhação exibiu um episódio que simplesmente expõe a ideologia em forma de discurso de doutrinação explícita, uma “aulinha” em formato publicitário em uma linguagem quase infantil. Constrangidos a não fazê-lo nas escolas, pelos pais das crianças, os militantes contam com a ajuda da Globo, que decidiu transferir a sala de aula de gênero para a sala de estar das famílias. Se seu filho não tem aulas de gênero na escola, espere até ele chegar em casa e ligar a TV.

A Ideologia de Gênero já está presente na educação brasileira. Tentou se impor nos planos de educação, mas foi amplamente rejeitada e vetada. Rejeitada em todo o Brasil por meio de pressão ao legislativo, a Ideologia de Gênero procura se inserir nos lugares menos controlados, na mídia, avançando sobre as escolas por meio da Base Nacional Comum, que não passou pelo legislativo, instância legítima e que perdeu de lavada.

Programas como o de Fátima Bernardes, que passa no horário da manhã, insistem tanto na temática que parece uma obsessão. O foco na educação sexual das crianças já se tornou a marca do movimento, que conta com apoiadores internacionais. A relação do movimento LGBT com os movimentos de ativismo pela normalização da pedofilia já foi tema de artigo por aqui. A primeira edição da Revista Estudos Nacionais também tratou do tema em reportagem especial, que pode ser lida aqui.

A aulinha de gênero da Malhação se desenrola no contexto de um tipo de “feira de ciências”, chamada de Feira do Sapiência, para a qual uma dupla convida uma coreógrafa que irá dar depoimento sobre sua experiência como mulher trans. Antes da entrada dela, porém, a dupla dá uma ideia do que é a “teoria de gênero”, explicitando as diferenças entre sexo biológico, identidade de gênero, expressão de gênero e orientação sexual, ambas categorias que podem, segundo a teoria, apontar numa direção diversa e criativa: é a diversidade.

Ao final, o tema é a mudança de nome para pessoas trans e o esclarecimento da importância desta pauta para assegurar “respeito às diferenças”.

Todo o empenho na difusão desta ideologia não sai barato: no mínimo 430 milhões de dólares já foram despejados em projetos e campanhas para as temáticas dos movimentos LGBT pelo mundo, desde 2006, de acordo com levantamento recente

Elementos visuais e técnicas publicitárias

Neste tipo de peça publicitária, a linguagem visual é importantíssima e tende ao convencimento não racional, mas emotivo e à conquista da sensibilidade e geração de empatia imediata.

A mistura de elementos tecnológicos e midiáticos mostra o esforço de sensibilização que ultrapassa a doutrinação do discurso: trata-se de uma engenharia comportamental e psicológica, voltada para crianças e adolescentes através do estímulo sensível de luzes e jogos de cores. Tanto o discurso, em tom óbvio de campanha publicitária, quanto os elementos tecnológicos utilizados, são claramente voltados ao público infanto-juvenil, combinando todas as fases do discurso com cortes suaves e intuitivos. A música de fundo, também de característica publicitária (quase num estilo telecurso 2000), produz uma sensação de que está tudo bem e que se está aprendendo coisas novas e estimulantes.