Feminicídio, um delírio? Até bala perdida pode ser machismo, indica artigo acadêmico da UFRGS

feminicidio-um-delirio-ate-bala-perdida-pode-ser-vista-como-feminicidio

Foto: Pixabay

A literatura acadêmica sobre estudos de gênero, em especial no Brasil, nos permite uma análise antropológica de pesquisadores brasileiros. Mostra ainda, a preocupante situação desse debate. A publicação Feminicídios: narrativas de crimes de gênero, de Meneghel et al (2013), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mostra, a título de exemplo, como a ideologia está impregnada na produção acadêmica e não há mais, qualquer critério, para o uso do termo feminicídio:

“Femicídios são mortes violentas de mulheres, decorrentes do exercício de poder entre homens e mulheres.”

Excluída aí a evidente influência marxista, não poderíamos dizer que toda vítima de violência (e de crime) sofreu com a relação de poder do agressor?

Não me refiro à relação de poder dos marxistas, mas em termos objetivos: em uma briga, quem tem maior poder derruba o oponente, ganha a luta. Se eu lutar com uma mulher ou homem que tenha mais força e agilidade, e eu for golpeado, terei padecido pelo maior poder de combate do oponente. Essa relação de poder tem algo a ver com sexo masculino e feminino? Mas deixemos de lado a realidade, por enquanto, e tentemos entender a ideologia por trás do uso e invenção de novas palavras.

Com os dados que os autores apresentam na introdução, verifica-se a baixa relevância do trabalho e que pode-se considerar que o Brasil não é tão machista e violento quanto se fala, afinal, dizem os autores: “No Brasil, em 2010, ocorreram 44.827 homicídios masculinos” e “4.465 femininos” e com isso, em “relação aos homicídios femininos, o Brasil ocupa o sétimo lugar entre 84 países do mundo (Waiselfisz, 2012)“. Ora, sabemos que o Brasil ocupa o primeiro lugar em homicídios totais e tem mais de 50% da população feminina. Se esses dados estiverem corretos, ser mulher é mais seguro que ser homem, no Brasil.

Ao conceituar o termo feminicídio, admitem que o termo tem cunho político e que “considera-se feminicídio qualquer manifestação ou exercício de relações desiguais de poder entre homens e mulheres que culmine com a morte de uma ou mais mulheres (Carcedo, Sagot, 2000)“, em que exemplificam que se tratam de “mortes perpetradas por parceiro íntimo, crimes seriais, violência sexual seguida de morte, femicídios associados ou extermínio”.

O objetivo é realmente classificar toda morte de mulher em uma pauta política e ideológica, uma arma do feminismo, para então, advogar as mais diversas bandeiras fazendo uso da contabilidade da morte. Destacam que os femicídios “têm sido associados a: situações de privação econômica, masculinidade machista e agressiva, envolvimento com o crime organizado, tráfico de drogas e de pessoas, conflitos armados, e lugares onde há altas taxas de assassinatos de homens“.

Ou seja, em duelos de traficantes rivais, se o traficante mulher atirar mais rápido, não houve machismo, se o traficante homem atirar mais rápido, houve machismo.

O mesmo é válido para briga de casais: é crime passional quando o homem morre e misoginia quando a mulher morre.

As autoras trazem narrativas de vários casos que demonstram essa lógica (ou falta de lógica), para aplicação do termo feminicídio.  Chega-se a considerar feminicídio mulheres mortas quando cruzam “a linha de fogo” entre dois criminosos.

As autoras contam um caso real para ilustrar um feminicídio, de “uma moça, mulata, 26 anos, que ocorreu em via pública quando estava na carona da motocicleta do namorado. Foram alvejados por diversos disparos de arma de fogo vindos de um veículo Citröen preto, cuja placa e ocupantes não foram identificados.

Ou seja, vítima de bala perdida, a jovem foi classificada como vítima de feminicídio. Ela tinha se relacionado com o rapaz errado, envolvido com o tráfico e marcado para morrer por um rival do crime. Tratou-se de um feminicídio porque os criminosos erraram o alvo, que era seu namorado. Se eles forem bons de mira, não seriam machistas.  Neste crime, a causa dos ideólogos ganha um plus de narrativa, pois além de feminicídio, tratava-se de uma afrodescendente.

É nítido que a ideologia tem impedido a capacidade de analisar a realidade de muitos acadêmicos e contribuído significativamente para a destruição da credibilidade de artigos científicos no Brasil. Quando alguém disser que tem um estudo acadêmico que prova a existência de feminicídio, lembre-se que pode ter até bala perdida contabilizada como machismo da sociedade.


Artigo analisado:

Meneghel  SN, Ceccon  RF, Hesler LZ,  Margarites AF, Rosa S, Vasconcelos VD. Femicídios: narrativas de crimes  de gênero. Interface (Botucatu) 2013; 17(46):523-533. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013000300003


 
 

1 thought on “Feminicídio, um delírio? Até bala perdida pode ser machismo, indica artigo acadêmico da UFRGS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *