França proíbe vídeo sobre Síndrome de Down por perturbar mulheres que abortaram

O vídeo mundialmente aclamado e premiado Dear Future Mom (Querida Futura Mamãe), sobre a Síndrome de Down, foi proibido na França por “causar distúrbios à consciência das mulheres que abortaram”.

Criado pela CoorDown, uma organização italiana de defesa das pessoas com Síndrome de Down, o vídeo já foi visto por 7,5 mil pessoas no youtube e traz a mensagem “todos têm o direito de buscarem a felicidade”. Mas a mensagem do vídeo foi considerada ofensiva pelo “Conselho de Estado da França” (France’s Counseil d’Etat), que o considerou inapropriado diante da realidade francesa, onde o aborto de bebês diagnosticados com a síndrome é de 92%.

O vídeo foi feito em resposta à carta de uma grávida que havia recebido a notícia de que seu filho nasceria com a síndrome.

Em resposta, a Lejeune Foundation levará o caso à Comissão Europeia para os Direitos Humanos, e uma petição criada no Change.org contra a proibição estatal já alcançou mais de 5 mil assinaturas.

Prática se alastra pela Europa

Outros países da Europa que aderiram à descriminalização do aborto, já alcançaram um alto índice de mortes de bebês com a síndrome. O exemplo da Islândia é assustador: 100% das crianças diagnosticadas são abortadas. Nos Estados Unidos são 85% e Reino Unido, 90% dos bebês. Na Espanha, em 2008, 95% foram eliminados no seio materno.

Assista o vídeo:

Escritor, Jornalista e pesquisador de mídia, mestre em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Autor do livro “A Transformação Social: como a mídia de massa se tornou uma máquina de propaganda (Estudos Nacionais, 2016)” e colunista no site Estudos Nacionais e um dos fundadores da RádioVox. Colaborador do site Mídia Sem Máscara e aluno do filósofo Olavo de Carvalho desde 2009.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta