Information PlannedParenthood federation investe na campanha pela legalização do aborto no mundo

Evidências do financiamento ao aborto ilegal no Brasil pelas grandes fundações internacionais

O financiamento internacional tem subsidiado não apenas a campanha pela legalização do aborto mas também a realização de abortos no Brasil.  Sites financiados por grandes fundações vendem pílulas abortivas ilegais no Brasil, promovendo o delito,  a morte de um nascituro, pondo em risco a saúde das mulheres e atentando contra a constituição brasileira.

Veja o site brasileiro “FazerUmAborto.com”. É escrachadamente um site brasileiro de fornecimento de abortos clandestinos.  Logo em sua apresentação descreve:

Se você está gravida e quer fazer um aborto por qualquer motivo, apesar do aborto não ser legal no Brasil há algumas soluções para você.

A primeira opção, e a que eu mais recomendo, é entrar em contato com a organização Women Help Women (Mulheres Ajudam Mulheres) pelo site:

http://womenhelp.org ou pelo email (…)

Elas falam português. É uma organização sem fins lucrativos que ajuda mulheres em países onde o aborto não é legal. Elas poderão te ajudar a fazer um aborto com comprimidos.

É amplamente conhecido o fato do cytotec ser usado para o aborto. Até o governo Brasileiro sabe disso e estudo formas de tornar o aborto clandestino mais seguro. Mas obviamente não dá para comprar em farmácias. Nenhum remédio nas farmácias é abortivo, eles são muito controlados, não perca seu tempo achando que isso vai ser fácil!

Quando você entra no site que eles apresentam o Women Help. Ao acessar o site da WomenHelp, você se sente em um site de soluções para aborto como se tudo fosse legalizado. A certeza de impunidade é tanta que a descrição do site não mostra nenhuma preocupação com a lei brasileira. Veja a página “quem somos”:

Women Help Women é um grupo internacional de ativistas, conselheiros/as formados/as, organizações e fundações sem fins lucrativos. Nós preenchemos a lacuna entre a defesa dos direitos reprodutivos e a prestação de serviços.

Na página “Sobre” há uma página um convite para “Apoiadores”. O site então explica que “as organizações e pessoas que estão nesta lista apoiam publicamente a Women Help Women e partilham o objetivo de aumentar o acesso, a produtos relacionados com a saúde reprodutiva”.

Eis a lista de organizações internacionais que fomentam o aborto ilegal no Brasil:

1.         Abortion Rights Campaign, Ireland
2.         Abortion Support Network, England (serving women living in Ireland and Northern Ireland)
3.         Alliance for Choice, Northern Ireland
4.         ALRANZ – Abortion Law Reform Association of New Zealand, New Zealand
5.         Asia Safe Abortion Partnership, India and Asia Pacific
6.         Catholics for Choice, USA
7.         Centre for Girls and Interaction, Malawi
8.         Changed Woman, Zambia
9.         Ciocia Basia, Germany
10.      Colectiva Salud Mujeres Ecuador, Ecuador
11.      Daniela Draghici, Coordinator, International Campaign for Women’s Right to Safe Abortion, Romania (personal capacity)
12.      Dandelion, Kenya
13.      Federation for Women and Family Planning, Poland
14.      Fortress of Hope Africa, Kenya
15.      Generation Initiative For Women and Youth Network, Nigeria
16.      Gynuity Health Projects, USA
17.      Ibis Reproductive Health, USA, South Africa
18.      Kobiety w Sieci, Poland
19.      Lesbianas y Feministas por el Derecho a la Información, Chile
20.      Línea Aborto Libre, Chile
21.      MARIA Abortion Fund for Social Justice, Mexico
22.      Need Abortion Ireland, Ireland
23.      Marge Berer, Founding Editor, Reproductive Health Matters, England (personal capacity)
24.      Organisation Congolaise pour la Protection des Opprimées et de l’environnement, Democratic Republic of Congo
25.      Peace Foundation Pakistan, Pakistan
26.      Promsex – Centro de Promocion Y Defensa de los Derechos Sexuales y Reproductivos, Peru
27.      Re(al)-Productive Health, Ireland
28.      Reproductive Health Training Center, Moldova
29.      Reproductive Rights Advocacy Alliance, Malaysia
30.      Reseau d’Action et d’Information Pour Les Femmes: RAIF, DR Congo
31.      Russian Association for Population and Development, Russia
32.      safe2choose, International
33.      Samsara, Indonesia
34.      Socorristas en Red (feministas que abortamos), Argentina
35.      Speaking of I.M.E.L.D.A. (Speaking of Ireland Making England the Legal Destination for Abortion), England
36.      Tamtang Group, Thailand
37.      Trust for Indigenous Culture and Health, Kenya
38.      Women’s Global Network for Reproductive Rights, International
39.      Women’s Promotion Centre, Tanzania

Rastreamento os investidores da causa abortista no Brasil

Em uma rápida pesquisa nos websites de algumas das organizações citadas como financiadoras da versão brasileira do site “Women Help” encontramos diversas ONGs e projetos internacionais. A esmagadora maioria deles conta com investimento de grandes fundações internacionais já famosas por seus negócios na bilionária indústria de abortos internacionais. Vejamos alguns exemplos.

Financiadores da “16. Gynuity Health Projects, USA”.

A Gynuity Health Project(EUA) também traz uma lista de financiadores em seu site,  na página “doadores”[1]. Dentre os financiadores destacam-se:

  • The Bill and Melinda Gates Foundation
  • Family Care International
  • International Planned Parenthood Federation / Western Hemisphere Region
  • The John D. and Catherine T. MacArthur Foundation
  • Planned Parenthood Global
  • Population Council
  • Richard and Rhoda Goldman Fund
  • The Rockefeller Foundation
  • University of British Columbia

A Gynuity foi fundada em 1997 e atua em escala global promovendo a expansão do acesso ao aborto. Em seu site, orgulhosamente apresenta seus projetos de expansão do aborto na Ásia (Asia Safe Abortion Partnership), na America Latina (projeto CLACAI – Consorcio Latinoamericano contra el Aborto Inseguro). Mais informações sobre o projeto CLACAI[2] em seu site clacai.org, em espanhol. O projeto atua em vários países da América Latina, tendo como principal objetivo, ensinar as mulheres dos países latinos sobre a autoadministração do medicamento abortivo misoprostol, apesar de ser ilegal nesses países.

Também atua no debate e militância (advocacy) buscando alterar as leis dos países. Em um evento realizado pelo projeto, em 2017, diversos palestrantes da Fundação Planned Parenthood marcam presença para debater a “necessidade” de legalização do aborto frente ao problema do Zyka Virus(embora ainda não esteja pacificado cientificamente a relação da microcefalia e do zyka – leia também Zika-Microcefalia: epidemia ou fraude abortista? ). A Gynuity Health Project possui um outro projeto chamado Misoprostol Alone Working Group[3] . Esse projeto atua tanto com mulheres dos países da América latina como com imigrantes latinos residentes dos Estados Unidos.

Financiadores “38. Women’s Global Network for reproductive Rights, International

O site dessa outra organização internacional[4] explica que dentre as principais fontes de recursos da organização destaca-se o “The Safe Abortion Action Fund (SAAF)”. Fundo constituído por cinco grandes doadores de recursos financeiro em 2006, com objetivo de fomentar o acesso ao aborto. O SAAF, como é explicitado no site, é administrado pelo International Planned Parenthood Fundation (IPPF). Em uma extensa lista de outros financiadores menos conhecidos, e dentre eles a famosa Fundação Ford aparece novamente.

Outra organização citada como patrocinadora é o Asia Safe Abortion (http://asap-asia.org). A organização, que comunga de lista bastante semelhantes de financiadores[5], tem foco a promoção do aborto nos países da Ásia. São eles: Austrália, Bangladesh, Camboja, China, Índia, Indonésia, Iran, Japão, Líbano, Malásia, Mongólia, Nepal, Paquistão, Filipinas, Sri Lanka, Tailândia, Turquia e Vietnam. O projeto orgulha-se de sua atuação internacional com objetivos[6] de: “Implementar campanhas internacionais para promover o acesso universal ao aborto”, e “dar autonomia para que as mulheres possam fazer sua decisão”.

O relatório anual de gestão [7] da SAAF, mostra que com 19 milhões de dólares, em 2015 trabalhavam com diversos indicadores de desempenho no seu plano estratégico, em seus diversos programas de atuação para expansão do aborto no mundo. Esse painel de indicadores de desempenho mostra como as técnicas mais avançadas em gestão estratégica tem sido usadas para a expansão das ideias abortistas.

Dentre os indicadores de gestão desses projetos de atuação onde o aborto é ilegal destacam-se:
– número de países onde foram dados novos passos para legalizar o aborto;
– número de mulheres e crianças que recebera o serviço de aborto no país;
– número de mulheres que receberam aconselhamento sobre o aborto;
– número de veiculações na mídia motivadas pelos trabalhos de membros SAAF;
– número de escritórios do SAAF que estão recrutando novos membros para campanhas pelo direito ao aborto;
– número de estudos iniciados

International Planned Parenthood Federation (IPPF)

Os mesmos objetivos e indicadores vistos nos relatórios anuais de gestão estratégica da SAAF são vistos nos relatórios anuais de sua organizadora e financiadora, a International Planned Parenthood Federation (IPPF). O relatório anual de 2016 da IPPF mostra um placar (página 19) em que acompanha os avanços de suas campanhas para descriminalizar o aborto em todo o mundo. No Brasil, em 2016, comemoram um avanço. Em todo o mundo, conforme mostra página (Anexo b / Annex B – página 20), foram 175 novas conquistas em descriminalização do aborto, conquistados graças ao apoio de 72 instituições parceiras. A IPPF obteve uma receita total de 291,2 milhões de dólares, com seus mais de 172 mil voluntários em 2016 e comemora mais um ano de expansão internacional.

Leia também: Máquina de fazer dinheiro: a indústria milionária do aborto

Esquemático do financiamento internacional
Veja abaixo, de forma visual, como funciona o esquema de financiamento a expansão do aborto no mundo.

imagem mostra esquema de financiamento ao aborto ilegal no brasil pela fundação rockefeller ford mcarthur bill e melinda gates planned parenthoodIlustramos na imagem acima o esquema de apenas duas instituições dentre as diversas ONGs e instituições envolvidas no esquema internacional. Em geral, todas elas tem em comum os mesmos financiadores: Ford, McArthur, Rockefeller, Bill e Mellinda Gates, International Planned Parenthood Federation e outras.

São sempre as mesmas grandes fundações, lideradas por uma elite globalista que deseja controlar tudo e a todos, passando por cima de legislações e culturas, para implantar suas agendas tão mortais quanto lucrativas.

 

Referências:

[1]                      A lista completa de organizações patrocinadoras  da organização Gynuity Health Project pode ser acessada por seu próprio site, http://gynuity.org/about/partners/donors/  disponível em 17/08/2017.

[2]                      Página com descrição do projeto e link para seu site oficial, disponível em 17/08/2017 no endereço http://gynuity.org/about/partners/clacai-consorcio-latinoamericano-contra-el-aborto-inseguro/

[3]                      Descrição completa do projeto disponível em 17/08/207 no endereço http://gynuity.org/about/partners/misoprostol-alone-working-group/

[4]                      Site da organização internacional “Women’s Global Network for reproductive Rights, International”, página Apoiadores explica sua estrutura de financiamento internacional. Disponível em https://womenhelp.org/pt/page/353/women-help-women-is-working-with-key-activists-and-feminist-organizations-arou . Acesso em 28 set. 2017.http://wgnrr.org/funders/

[5]                      Extensa lista de parceiros e financiadores disponível emhttp://asap-asia.org/our-supporters/ http://asap-asia.org/our-supporters/> acesso em 28 set. 2017.

[6]                      Tradução direta do conteúdo da página da organização. Endereço: <http://asap-asia.org/what-it-is/>. Acesso em 17 ago. 2017

[7] SAAF. Relatório de Gestão do Ano de 2015 – Disponível em <http://www.saafund.org/annual-reports/>  acesso em 28 set. 2017

8. Anexo I – Evidências: telas do sites Women Help
tela 1  tela 2  tela 3  tela 4

9. Anexo II – Evidências: Telas do site Fazer um aborto
tela 1 – primeira página do site

Pesquisador independente e tradutor, escreve e coordena pesquisas para o site EstudosNacionais.com. Desenvolve projetos editoriais na editora Estudos Nacionais e Livraria Pius.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta