O esquerdismo é uma religião secular

Recentemente a atriz canadense Ellen Page veio a público condenar o seu colega ator Chris Pratt por frequentar uma igreja que “viola os direitos LGBT”.

O ataque veio em forma de um tweet respondendo a uma entrevista que Pratt deu a Stephen Colbert e que revelou o jejum que o ator se propôs a fazer:

Pratt, que é um consagrado ator de Hollywood e cristão confesso – duas qualidades que quase não se misturam em dias atuais –, rebateu as críticas e disse que “foi sugerido que eu pertenço a uma igreja que odeia um certo grupo de pessoas e é ‘infamemente anti-LGBTQ’. Nada poderia estar mais longe da verdade. Eu vou a uma igreja que abre suas portas para todo mundo.”

À primeira vista, não há informações de que a igreja em que Chris Pratt congrega ataque “pessoas LGBT” abertamente ou as exlua da liturgia. Parece que a igreja é apenas uma congregação cristã como qualquer outra, cujos princípios são extraídos da Bíblia Sagrada. Detrás da crítica de Ellen Page surge, então, um ataque não específico a esta ou aquela igreja, mas a todo o cristianismo, com seus princípios, exemplos e restrições.

A crítica da atriz é mais implícita e genérica, pois vê o cristianismo como um inimigo do ativismo LGBT.

Uma questão que nasce de todo esse embrólio e que parece bastante intrigante a quem atentamente olhar para ela é o porquê dos ativismos modernos não tomarem partido contra outras religiões que ostensivamente odeiam gays e muitas vezes os açoitam fisicamente.

Pode ser levantada a objeção de que o cristianismo não é inclusivo o bastante ao tratar o homossexualismo como pecado e deve, pois, ser criticado por tal visão de mundo. No entanto, cada vez mais o ressentimento ao cristianismo não toma mais forma de debates ou entendimentos racionais; ele é, ao lado do juidaísmo, a religião que mais é atacada gratuitamente, por puro ódio vindo da religião secular que domina o mundo ocidental hoje: o esquerdismo.

Soa estranho ao primeiro ouvir que a esquerda é uma espécie de religião, uma religião secular. Mas aqui concordamos com um artigo de Dennis Prager, escrito ao The Daily Signal e que enumera, didaticamente, a raíz religiosa da esquerda moderna:

“E é isso que o esquerdismo é: um profeta secular que substitui o cristianismo. Expressões religiosas de esquerda incluem o marxismo, o comunismo, o socialismo, o feminismo e o ambientalismo.

Os princípios orientadores do esquerdismo – não obstante os princípios daqueles cristãos e judeus que afirmam ser religiosos, mas têm opiniões esquerdistas – são as antíteses do judaísmo e dos princípios orientadores do cristianismo.

O judaísmo e o cristianismo afirmam que as pessoas não são basicamente boas. O esquerdismo afirma que as pessoas são basicamente boas. Portanto, o judaísmo e o cristianismo acreditam que o mal vem da natureza humana, e o esquerdismo acredita que o mal vem do capitalismo, religião, estado-nação (ou seja, nacionalismo), corporações, o patriarcado e virtualmente todos os outros valores tradicionais.”

A esquerda é, assim, não a religião que busca uma força transcendental que vem de outro plano; ela é a religião secular que busca fazer do mundo terreno um paraíso, onde a força não é espiritual, mas mediante a coerção estatal exercida por um grupo restrito de pessoas.

Matt Walsh, colunista do The Daily Wire em assuntos cristãos, explica que:

“Os ataques anticristãos têm pouco a ver com os direitos dos homossexuais. De que outra forma você explica o fato de que a esquerda nunca sujeitar os muçulmanos a esse tipo de escrutínio? As formas ortodoxas de todas as três religiões abraâmicas compartilham a mesma visão fundamental da sexualidade humana. Todos os três (Cristianismo, Juidaísmo e Muçulmanos) dizem que sexo e casamento devem ser reservados para relacionamentos homem-mulher.

 No entanto, você nunca ouvirá nomes como Ellen Page criticando um ator muçulmano por sua fé. A mídia nunca questionará o deputado Ilhan Omar sobre as posições de sua mesquita sobre casamento e sexualidade. A esquerda exonerou sumariamente o Islã das suspeitas de ‘homofobia’, mesmo que a homofobia no Islã muitas vezes possa assumir uma forma brutal e horripilante. Assim como a atitude do Islã em relação às mulheres continua a não ser examinada, Mike Pence (vice-presidente americano) é acusado de sexismo por ter se recusado a comparecer às datas do almoço com colegas do sexo feminino. O duplo padrão é gritante. E prova, sem sombra de dúvida, que o problema da esquerda com o cristianismo não pode ser reduzido a qualquer ensinamento específico. Eles só odeiam o cristianismo em geral, como um todo…”

A razão do ódio ao cristianismo ou judaísmo é que a religião secular (esquerdismo) que os pretende substituir no ocidente não tolera concorrência, exceto uma aliança temporária com o islã.

 


 
 

2 thoughts on “O esquerdismo é uma religião secular

  1. Parabéns pelo texto. O esquerdismo se tornou mesmo uma religião e não apenas uma filiação partidária. E pior, uma religião extremista que não aceita visões conflitantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *