Não tenhais medo: uma série sobre os conflitos na política e nas relações pessoais

A série é uma viagem, assim como o canal Brasileirinhos. Uma viagem sem volta.

A série Não tenhais medo, do canal Brasileirinhos, é um ensaio em vídeo que propõe analisar a conjuntura de hostilidade e polarização política vivida no Brasil, escolhendo para isso o recorte temporal do período do chamado “golpe” de 2016, o Impeachment de Dilma Rousseff. A série é uma profunda e provocadora descrição do ambiente psicológico que aflorou naquele momento culminante dos acontecimentos políticos iniciados nos protestos de 2013, dando o tom das eleições de 2018. Tudo parece ter resultado um acirramento aparentemente invencível entre o que se entende como direita e esquerda. Ao mesmo tempo, a série ilustra a decadência e infantilismo visíveis dos segmentos da esquerda em sua relação problemática com oposições e visões distintas. Uma investigação terapêutica que propõe saídas dolorosas para alguns.

Os vídeos localizam o problema específico dentro de um contexto bem mais amplo: a psicologia do brasileiro e sua maneira de lidar com o outro diante de esquemas típicos de crises de relacionamento, como o exemplo do que chama de “sequestro da amídala”, reação emocional que obstrui e impede diálogos, dificultando ainda mais o entendimento. Trata-se de uma tentativa sincera e aberta de entender os motivos da deterioração das relações pessoais em sociedades como o Brasil, em que a baixa confiança cria as condições para condutas defensivas, agressivas e histéricas, assim como abre espaço para utópicas expectativas progressistas na política.

Uma sociedade sem confiança só pode desejar soluções que venham de cima, que conciliem as relações aparentemente impossíveis. “Confiança é bom, mas controle é melhor”, dizia Lênin. Eis o que nos espera, adverte o vídeo. Todo totalitarismo se nutre de ambientes de desconfiança generalizada.

Os vídeos fazem parte de um longo ensaio ilustrado por imagens que aprofundam e provocam o espectador na direção de uma reflexão compartilhada. Com o sarcasmo e a ironia característicos de outros vídeos do canal, a série usa todos os tipos de recursos imagéticos para expressar o que pretende descrever e o resultado é uma experiência que alcança altos níveis de sinceridade estética. O Brasil como nem sempre gostaríamos de ver e nós mesmos como dificilmente pretenderíamos descrever.

Sinceridade escancarada e libertadora

Assistir à série Não tenhais medo, assim como outros vídeos do canal Brasileirinhos, é uma forma libertadora de entender o atual contexto nacional. Não há estetismos, caricaturas que não sejam intencionais, escolhas que não objetivam a compreensão a qualquer custo. Perder seguidores para não perder a piada parece ser o mandamento orientador do canal, que cresce na mesma medida da sofisticação de uma proposital tosquice em um humor macabro e cheio de brasilidade (no pior e mais realista dos sentidos) mesclando uma necessária desilusão com a inesperada aposta no resgate daquilo que o espectador tenha de melhor, mais concreto e vivo. Não é para fracos. A libertação experimentada por quem está acostumado aos vídeos de Brasileirinhos pode ser descrita como uma viagem ao centro concreto de nosso tecido social. Tirem as crianças da sala: vai tocar o Hino Nacional. É dessa forma que o canal tem ganhado seguidores.

Evidentemente, os vídeos do canal não podem ser compreendidos nem aproveitados por quem exemplifica o que seus vídeos retratam. Seja da direita ou da esquerda, exemplos não faltam. Certas referências intelectuais podem ser necessárias, mas caso o espectador não as tenha, bastará a sua sinceridade, a simples presença diante do mundo, o compromisso com uma visão da realidade que tem prioridade sobre esquemas genéricos e abstrações repetidas todos os dias pela mídia, universidades ou simplesmente amigos pouco inteligentes que sequestram a inteligência em troca de aprovação social ou grupal.

Não tenhais medo é uma viagem. E assim como o próprio canal, uma viagem sem volta.

1 thought on “Não tenhais medo: uma série sobre os conflitos na política e nas relações pessoais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *