Falta de dinheiro para filme sobre ânus motivou invenção da “crise da Apex” por jornais

Reprodução

O filme “A Rosa Azul de Novalis”, de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro, começa com a imagem de um ânus. Segundo seus realizadores, não se trata de filme pornô, mas um manifesto político que aborda o ânus como símbolo de transcendência. Essa é uma das peças do cinema nacional ameaçada de não ir para o Festival de Cannes este ano, graças à recusa de financiamento da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações), por parte da diretora Letícia Catelani, que denunciou a pressão sofrida pelo então presidente Mário Vilalva, que terminou exonerado. Mas Vilalva virou, com isso, fonte preferida da grande mídia para a criação da narrativa da “crise na Apex”.

Outro filme que pleiteava o dinheiro da agência era o longa do ator e petista, José de Abreu, Antes que eu me esqueça, que conta a história de um senhor dono de uma boate de strip-tease, enfim, típica produção nacional que enaltece o sensualismo brasileiro para o mundo, produto de exportação que os realizadores viram como passível de ser financiado por agência governamental.

Mário Vilalva teria pressionado Letícia e Márcio Coimbra para serem coniventes com práticas irregulares na agência.

A recusa desses financiamentos, assim como de outras práticas que se mantinham como “tradição” da Apex, geraram revolta nos setores artísticos ligados à esquerda, acostumados a facilidades e favorecimentos que têm sido rompidos com a gestão de Letícia, referida pelos jornais como “protegida” do chanceler Ernesto Araújo.

Letícia é amiga de Filipe Martins e de Eduardo Bolsonaro e pode ser considerada uma das “fiscais” comprometidas com o projeto do Presidente eleito pela maioria da população. Os ataques da mídia fazem parte da operação de desgaste do chanceler, visto como perigoso por suas posturas antiglobalistas. No fundo, o alvo é sempre o mesmo: o projeto de Jair Bolsonaro.

Esquemas ameaçados e crises fabricadas para silencia-los

Uma das práticas tradicionais da Apex foi o contrato fraudulento no valor de R$12.5 milhões com a empresa de publicidade Terruá, citada e investigada pela Operação Lava Jato por lavagem de dinheiro para o PT. Além disso, a Terruá é citada como sócia oculta de uma parceria com uma empresa de denominada Arcos, para fins de execução de “soluções de comunicação” para a Embaixada da China.

Segundo informação do jornalista Paulo Enéas, “a empresa Terruá tem entre seus integrantes a articuladora do movimento #EleNão no Distrito Federal, Martha Ribeiro Ferreira. Outro sócio da empresa era Ednilson Machado, que foi assessor de José Dirceu e desligou-se da empresa no ano passado para trabalhar na campanha eleitoral do invasor de propriedades Guilherme Boulos”.

Segundo Luciano Azevedo, membro do grupo permanente da Cúpula Conservadora das Américas, o objetivo dessa “crise na Apex” é derrubar o chanceler Ernesto Araújo e outros funcionários de sua confiança para devolver a Apex, e consequentemente o Itamaraty, às velhas práticas de favorecimento, assim como o retorno da política externa anterior que é combatida por Ernesto.

O instrumento preferencial de retomada da velha política tem sido, segundo muitas fontes no governo, os setores militares comandados por generais como Santos Cruz, Escoto e comparsas.

Ao que tudo indica, a Apex e o Itamaraty seguem os passos do que aconteceu no MEC, onde os militares mandam e desmandam nomeando tucanos e técnicos da sua confiança, mas contrários ao projeto que foi eleito pelo Brasil.


Clique aqui e compre as 4 edições da revista impressa Estudos Nacionais.

 
 

9 thoughts on “Falta de dinheiro para filme sobre ânus motivou invenção da “crise da Apex” por jornais

  1. Acabar com órgãos de utilidade pública como o DOPS e o DOI-CODI foi como retirar as ratoeiras e espalhar o queijo para a CORJA maldita de ratos.

  2. Tanta coisa interessante pra contar e esses aficionados por órgãos genitais quererem isso? Degradante!

  3. Desde que me conheço por gente o brasil só faz filme de putaria. Agora cú é uma novidade podre! A gente não precisa passar essa vergonha. Já basta o mariguela preto… O brasil ainda vai ser referência em documentários em como o esquerdismo é ladrão, manipulador e envolvido com todo tipo de bandido e terrorista que existe no mundo! Seremos os top nessa matéria. O filme 1964 já poderia ser indicado a esse festival!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *