Como funciona a “tutela militar” comandada por Santos Cruz em órgãos do governo

General Santos Cruz (Reprodução)

Os militares que ocupam o alto escalão do governo se utilizam da hierarquia militar para implantar uma espécie de estrutura paralela totalmente contrária aos anseios que elegeram o presidente Jair Bolsonaro.

Em diversos órgãos da administração federal, ministérios e agências do governo, generais como Santos Cruz tem sido implacáveis no objetivo de renovar todos os contratos de governos anteriores, especialmente em questões culturais, usando para isso desde psicologia reversa até insubordinação declarada ao Presidente da República.

Uma das táticas dos generais é ocupar todos os órgãos estratégicos do governo por meio de pessoas que respondam à hierarquia militar acima de qualquer outra solidariedade, incluindo com o Presidente. Para isso, a tática é retirar os quadros inconvenientes, o que os militares têm feito através de uma verdadeira operação de tomada de territórios e neutralização das defesas consideradas inimigas. Os alvos preferenciais são todos os quadros indicados pelos ministros mais fiéis a Bolsonaro.

Fica cada vez mais evidente que o ministro Ernesto Araújo é a bola da vez, o próximo grande alvo dos militares que não desejam o Itamaraty nas mãos de civis com ideias demais na cabeça. A tática parece ser vir de baixo para cima: a Agência Brasileira de Promoção da Exportação (Apex) é a responsável por contratos com a grande mídia e produtoras que compõem o mesmo esquema das décadas anteriores, como o filme que falava sobre o ânus humano, referido em artigo recente. Produtoras com vínculos petistas e psolistas estão na lista.

Ao que parece, essas empresas que se dedicam à subversão cultural de importância estratégica para a manutenção da hegemonia cultural da esquerda, são igualmente valiosas para os militares do alto escalão.

Indicados por Ernesto Araújo, os diretores da Apex, Márcio Coimbra e Letícia Catelani têm sido a grande pedra no sapato dos conspiradores de farda e dos editores da mídia quando o assunto são os contratos com o governo. Os diretores cometeram um terrível crime: ousaram não assinar contratos de parcerias com empresas como a Terroá, citada na Lava Jato, que receberia 1 milhão de reais somente para fazer a agenda dos palestrantes para um evento sobre o Brasil nos EUA.

Um espaço chamado Casa Brasil, inserido no evento internacional, contaria com palestras sobre gênero, questões raciais e indigenismo, temas que os organizadores acreditaram ser representativos da cultura brasileira. Só o site G1 receberia 500 mil reais para fazer a cobertura do evento. Os diretores cometeram a atrocidade de cortar o financiamento para esses eventos. Além disso, outros contratos nem foram apresentados já temendo serem rechaçados. Filmes de questionável qualidade, como o que já mencionamos, tiveram cortes que poderiam retirar o Brasil da disputa em Cannes, o que irritou grande parte da grande mídia e fez da Apex uma inimiga da cultura. Aquela cultura brasileira tão belamente representada no filme “A Rosa Azul de Novalis”.

Dos dois diretores indicados por Ernesto, apenas Letícia Catelani permanece no cargo. Márcio Coimbra já foi destituído do cargo após polêmica envolvendo o ex-presidente Mário Vilalva.

Uma outra postagem de Sílvio Grimaldo ajuda a entender o motivo da “intermediação” do general com o presidente.

Santos Cruz prometeu à Ancine que vai restabelecer o programa Cinema do Brasil, que consome R$ 12 milhões dos cofres públicos organizando exibições e festinhas dos excelentes cineastas esquerdistas brasileiros Europa a dentro, e que não atende a nenhum interesse nacional relevante. Essa é a primeira missão do almirante Segovia, cuja nomeação será assinada hoje presidente Bolsonaro. Ou seja, mais uma quartelada para impedir que as coisas mudem e para que o Estado continue bancando a farra da esquerda.

Como uma indicação estrita dos militares, o almirante monoglota que aspira a chefia da Apex parece estar disposto a “pôr ordem na casa” e prontamente restabelecer os contratos para programas com os mesmos grupos que trabalharam por décadas para o Partido dos Trabalhadores e ecoaram pelo país toda a agenda cultural da esquerda às custas do dinheiro público. Como a liberdade de consciência é o que nos distingue dos animais irracionais, não há qualquer certeza do que fará o almirante no comando da Apex, mesmo que a patente militar tenha sido o único critério aparente para a sua nomeação.

Para implementar a agenda do alto escalão militar, porém, ele precisará passar por cima das indicações feitas pelo chanceler Ernesto Araújo, uma das maiores pedras de tropeço à continuidade da hegemonia cultural da esquerda no país. A situação é muito clara para todos: você pode ser ministro, mas se não marchar direito será enquadrado pelo quartel de milícias empoderadas. Nenhuma indicação de ministros fiéis à agenda cultural de Bolsonaro têm chances de prosperar enquanto os guardas do castelo mantiverem sua insurgência silenciosa.

Ao que tudo indica, o general Santos Cruz comanda uma verdadeira insurgência, cujo campo de batalha é a estrutura dos ministérios e agências, com o fim do controle completo e da “tutela militar”.

Durante as eleições, o “ex”-espião da inteligência cubana José Dirceu disse em entrevista que havia o risco de Bolsonaro “se enquadrar”, isto é, “prestar continência aos generais, esquecer que é presidente”. Essa situação que nos pareceu à época pouco verossímil nos faz estremecer ao lembrar do constrangimento vivido pelo presidente que foi por anos rejeitado pela classe militar e agora encontra-se rodeado por verde-olivas de patente superior.


 
 

39 thoughts on “Como funciona a “tutela militar” comandada por Santos Cruz em órgãos do governo

  1. A dúvida que fica é sobre o status mental do Presidente que, diante de tão flagrante situação de golpe iminente pelos seus colegas de farda, é incapaz de realizar a faxina necessária para colocar em prática o plano de Governo que o colocou no posto de Chefe de Estado. Será que Bolsonaro dará mais ouvidos aos seus pseudo-superiores de hierarquia do que às milhões de vozes vindas do povo brasileiro?

    1. Passou da hora de Bolsonaro exonerar ministros que estão minando seu governo , uma vez que sua eleição se deu por motivos de anseios de valores conservadores e re-estruração do estado.

  2. Esse generais estão se mostrando cada vez mais despresíveis, folgados e covardes. Nada fizeram contra a esquerda que os humilhou durantre os últimos anos, mas agora que voltam ao poder graças ao sangue derramado – literalmente – de um capitão, começam a botar as asinhas de fora justamente contra o pessoal que é fiel à pauta do Bolsonaro.
    O presidente é o comandante-supremo. Tudo é muito simples, se algum ministro se insubordinar, meta-lhe o pé na bunda.

    1. Não fizeram nada? Até hoje estão protegendo o Brasil de Olavo de Carvalho!

      Mas agora me diga uma coisa: quando FHC foi eleito vocês queriam que os militares dessem um “golpe”? Mas vocês não odeiam os militares e queriam “intervenção civil”?

      Parem de seguir esse pseudo-filósofo de araque e vejam como ele inocula ideias ridículas nas cabeças de vocês!

  3. Isso explica o fato do Villas Boas não querer entregar o comando do Exército? Ele dava a entender que temia uma traição à pátria, caso saísse do comando.

    1. Não: ele ficou no cargo mesmo sem ter saúde para preservar o “sistema” e proteger Temer.

      Os sucessores dele seriam Generais mais próximos a Bolsonaro e Mourão, por isso ele ficou ocupando o cargo.

  4. JÁ QUE GOSTAM DE BRINCAR DE ANALISTAS VAMOS ANALISAR AQUI A REAL DISSO TUDO…A CRISE QUE ESTÃO DIZENDO QUE HÁ ENTRE AS “ALAS’..VAMOS VAZAR AQUI – É UMA BRIGA DE MAÇONS CONTRA CATÓLICOS..SIMPLES ASSIM…E A ALA EVANGÉLICA JUNTO COM JUDEUS NÃO SE ALINHA NEM COM UMA, NEM COM OUTRA..VAMOS VER QUANTOS NEURÔNIOS TEM ESSA GERAÇÃO ATUAL DE BRASILEIROS PARA TENDO OLHOS CONSEGUEM ENXERGAR NA FUMACEIRA DISSO TUDO.. VAMOS VER QUAIS GENERAIS TOCAM NO MURO OCIDENTAL DE JERUSALÉM..E QUAL VAI APOIARA ABERTAMENTE O BREXIT – ENTÃO DIREMOS QUEM DE FATO ESTÁ DENTRO DO PLANO DO BRASIL DO FUTURO PROFÉTICO…SE É QUE FUI ENTENDIDO É CLARO.

  5. Todas as pessoas que eu conheço votaram no Bolsonaro justamente PORQUE ele é militar, votaram nele porque queriam os militares no governo. O Bolsonaro, ao longo de toda sua carreira política, foi majoritariamente eleito por militares e familiares de militares; o mesmo vale para os filhos. Agora, antes de anunciar sua candidatura, ele procurou um general da reserva e insistiu para que ele formulasse um plano de governo. Só quando o General anuiu é que Bolsonaro decidiu se candidatar. Ou seja: os militares estão no cerne deste governo desde antes de Bolsonaro se candidatar. Ele não teria se candidatado sem esse forte apoio militar. Foi por isso que recebeu essa votação maciça.

    1. Como é difícil encontrar sensatez na Internet. Parabéns!

      Difícil é a turma do admirador de Ciro Gomes (até ontem) e pseudo-filósofo ver a realidade de forma tão simples.

    2. Eu não votei no Bolsonaro porque ele é militar. Votei para que ele “despetize” o Estado brasileiro. O que é justamente o que o Santos Cruz traidor não quer deixar acontecer.

  6. O exército brasileiro nasceu com esse propósito o de acabar com qualquer traço da civilização ocidental.
    Lembrem-se o positivismo é uma das filhas da revolução.
    Acho que o Bolsonaro ainda continua se enganando com os milicos, ainda fica romantizando essa instituição que golpeou o país em 1889.

    1. Carla, agora você falou a dura verdade. Quem deu o primeiro golpe no Brasil foram justamente os militares em 1889. E para quê? Para destituir a Monarquia por pura ambição ao Poder e o desejo de praticar corrupção sem um “Poder Moderador” por perto para impedir. Eu sempre me pergunto: qual foi a vantagem do Brasil em aceitar a República em 1889? Nenhuma! De lá para cá foram crises e mais crises e sempre com a sombra dos socialistas e comunistas tentando roubar o poder, até que conseguiram em 1985.

      1. Isso é verdade, mas a família imperial brasileira de católica não tem nada uma vez que é maçônica.
        E isto vem desde de Dom Pedro II, que tantos endeusam. Desde Dom Pedro I, pra ser mais preciso.
        O correto era que o Brasil nunca houvesse separado de Portugal e que Dom Miguel desse continuidade ao trono do Reino Unido sucedendo seu pai, mas o ‘herói’ sem caráter Pedro usurpou o trono e deu um golpe na própria Coroa Portuguesa que, desde Dom João IV, não pertencia a pecadores mas sim à Nossa Senhora da Conceição – eterna rainha de Portugal.
        Entre uma monarquia maçônica e uma república positivista não sei o que é pior, pois cedo ou tarde darão lugar novamente aos blocos comuno-socialistas do Movimento Revolucionário (do qual pertencem, inclusive, por serem instituições gnósticas).
        E aquele ignorante do clube militar ainda vem com a sandice mitômana de ‘Internacional Extremista’… E pela idade do sujeito, nem dá pra culpar o método sócio-construtivista desta vez.

        1. Mas talvez a sua idade/experiência o impeça de ver a verdade.

          Trump botou Steve Bannon para fora do Governo. Ele também é “ignorante” ou o esperto é um pseudo-filósofo falido?

    2. Na Batalha dos Guararapes eles queriam acabar com a “civilização ocidental”?

      Esse é o tipo de gente que segue o pseudo-filósofo. Até a verdade histórica já repudiam e eu pensava que era só essa versão fantasiosa sobre Carlos Lacerda ser um “líder de direita”.

      Tá serto…

    1. Confiança inocente é a tua em acreditar na inocência do Mito. Ele tem a porra da caneta, mermão. Ainda que ele fosse um imbecil, ele tem a porra da caneta. Quando é que vai cair a ficha? O cara tá no poder, levantando a vida dos filhos e o caralho… e vcs aí, na merda esperando as migalhas. E o inocente é o presidente? Faz-me rir!

      1. Pelo menos, Ciro Gomes tem claramente mais culhões que o Bolsonaro. Não basta ter honestidade, tem de ter culhões pra governar esse país. Espero que ele tome uma atitude da mesma forma que Ciro faria sem perda de tempo. Uma pena que o Ciro escolheu o lado errado. Se ele tivesse escolhido o lado conservador e patriota, Bolsonaro não teria sido eleito e hoje não haveria militar enchendo o saco porque se o fizesse seria imediatamente preso. Mas, como já ficou claro desde a abertura politica, militar na politica so faz cagada! Mas, não tinhamos escolha!

  7. Gostaria de ver um artigo que explique a cegueira do presidente acerca das Forças Armadas. Pra mim é incompreensível, primeiro que tenha indicado tantos militares para cargos no Governo e, depois, porque ainda os mantém.

    1. Se chama “eleitoralismo raiz”, o voto pela fé no ícone que nos representa. Essa é a onda que os políticos “de raça” surfam na nossa cara enquanto batemos as cabeças com picuinhas ideológicas enquanto os verdadeiros patriotas como o Moro estão tentando mudar alguma coisa de verdade. Força Moro!!!

  8. Ou seja, vocês votaram no Mito e se foderam. De duas uma, ou ele está cagando pra vcs; ou é um imbecil de marca maior – e no caso, sobra pra vcs serem os imbecis que acreditaram no mito do Mito.

  9. Se uma das fontes dessa fofocada é Sílvio Grimaldo, que fazia parte do staff do melancia incompetente do Vélez, parei de me preocupar.

    Isso é só assassinato de reputação na versão esquerda olavista.

  10. A mesma sensação que eu tenho, parece que os militares já estavam infiltrados pela agenda globalista marxista, apanharam quietinhos durante anos com a cantilena de que não queriam assumir de novo o governo, mas adoraram que um capitão desse a cara a tapa durante todos estes anos e enfim com ajuda do povo brasileiro anti esquerda ganhou as eleições e agora eles começam a revelar o lado marxista deles e que nem nós mesmos imaginaríamos que eles tivessem tão envolvidos com o globalismo.
    As mídias sociais foram uma porta aberta para a população conservadora do Brasil que estavam sendo silenciosamente estupradas então fugiram e começarem a denunciar este estado de coisas.

  11. Militar insubordinado, segundo reza o RDE e o Codigo Penal Militar, tem de ser imediatamente preso por insubordinação. E sendo um oficial general, tem de ser degradado alem de preso e expulso. Mas Bolsonaro não está mostrando-se macho suficiente pra isso, coisa que Ciro Gomes tinha deixado claro quando candidato ao responder pergunta numa entrevista que foi: Como será sua relação com os militares? Ele disse: “Será como reza a constituição. Eu mando e eles obedecem”. E ainda acrescentou ao criticar o Mourão: “Militar tem de ficar calado, se eu for presidente e algum começar a falar, será imediatamente preso.”. Uma pena que Ciro gomes escolheu a bandeira errada para defender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *