SC: Congresso de medicina aborda ginecologia feminista, hormonização para trans e legalização do aborto

SC: Congresso de medicina aborda ginecologia feminista, hormonização para trans e legalização do aborto

05/11/2018 3 Por Estudos Nacionais

Dentre os temas de palestras e debates estão “Ginecologia Feminista”, “Hormonização para transsexuais”, “atenção primária ao aborto” em debates pela pró-legalização e outros.

Florianópolis/SC: O VI Congresso Sul-Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, que ocorre nos dias 8 a 11 de novembro de 2018 na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e traz temas bastante polêmicos.

O enfoque da programação do evento tem causado insatisfação por parte de médicos e especialistas em saúde de família e comunidade, já que na opinião desses especialistas, em detrimento de temas polêmicos e ideologias, temas extremamente relevantes não estão sendo abordados como a depressão, síndrome metabólica, suporte ao paciente oncológico, suporte ao paciente idoso em doenças degenerativas como parkinson e demências, entre outros.

Entre as diversas palestras nos três dias de programação, destacam-se:

  • Hormonização para homens trans
  • Hormonização para mulher trans e travestis
  • Os jovens e a diversidade
  • Dialogando sobre gênero e sexualidade na escola
  • Uso de drogas lícitas e ilícitas e suas contradições

Mesas-redonda:

  • LGBTfobia e saúde
  • A formação, o currículo oculto e a LGBTfobia,
  • Ginecologia feminista
  • Saúde mental e impactos do racismo,
  • Religião de matriz-africana e saúde
  • Ultrassom natural.
  • Gênero enquanto construção social
  • Mulheres trans e a luta pelo direito de existir

Outro tema que chama atenção é a mesa-redonda sobre “Racionalidades médicas pouco conhecidas e práticas populares no cuidado“, que tem como temas “Antroposofia”, “Ayurveda”, “Xamanismo” e “Benzedura”.

As palestras e debates ocorrerão no Centro de Cultura e Eventos da UFSC, Tenda Paulo Freire, Auditório Marielle Franco, Sala Cazuza, Sala Maria da Penha, Antonieta de Barros e no Auditório da Reitoria. 


Dominação ideológica nas universidades

A dominação ideológica de extrema esquerda e revolucionária nas universidades tem sido uma preocupação crescente no Brasil e parece se manifestar em praticamente todas as universidades federais e estaduais, algumas em menor ou maior grau. No caso da UFSC, outros episódios já indicaram o forte viés homogêneo de debates pró-gênero e pró-aborto, ambas ideologias bastante desconectadas dos interesses sociais da maioria da população brasileira.

No dia 30 de outubro de 2018, a mesma universidade sediou o evento “O Evangelho segundo Jesus, a Rainha do Céu”, em que Jesus Cristo é retratado como um transsexual.

A universidade também realiza anualmente o evento Fazendo Gênero, há 13 anos. No evento anual, são realizados cursos, palestras e amostras focados na perspectiva de gênero enquanto construção social, visando capacitar professores, alunos e influenciar o debate acadêmico e cultural. Evento realizado pela UFSC e Ieg (Instituto de Estudos de Gênero) da UDESC, e com apoio da CAPES, CNPq, FAPESC e Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC)