Olavo de Carvalho sofre campanha coordenada de censura nas redes sociais

A menos de dois meses da eleição presidencial, o filósofo Olavo de Carvalho, responsável pelo surgimento de um movimento conservador que apoia Jair Bolsonaro nas redes sociais, foi vítima de uma sequência coordenada de bloqueios em seus perfis e páginas e até mesmo na sua conta do Paypal, por onde recebe pagamento de seus cursos.

Em um vídeo disseminado pelas redes sociais de seus alunos, Olavo de Carvalho denuncia o esquema coordenado de censura, ocorrido logo após a reedição de um de seus livros mais vendidos O imbecil coletivo, pela Record, que alcançou o primeiro lugar em vendas na Amazon, antes mesmo de ser lançado.

Em meio ao início da campanha eleitoral, na qual o candidato apoiado por ele, Jair Bolsonaro, detém maioria nas intenções de voto principalmente nas redes sociais, outros fatos se acumulam em um contexto desconfortável para a esquerda que domina a grande mídia, parceira estratégica do Facebook.

Livro de historiador desmoraliza Comissão da Verdade

Outro fato que Olavo relaciona ao desejo de censura na internet pela esquerda são as recentes revelações do livro do historiador Hugo Studart, intitulado Borboletas e Lobisomens – Vidas, Sonhos e Mortes dos Guerrilheiros do Araguaia (Editora Francisco Alves, 2018). O livro conta, entre outras coisas, que guerrilheiros dados como mortos sobreviveram com identidades falsas, apesar de suas famílias terem recebido o direito a indenizações pela Comissão da Verdade.

Assista o vídeo de alerta publicado por Olavo de Carvalho:

As redes sociais não dão mais conta de garantir a disseminação de informações na internet. Para garantirmos a comunicação efetiva, passaremos a enviar e-mails periódicos com os principais lançamentos e publicações dos Estudos Nacionais. Não se preocupe, não faremos envios diários para lotar sua caixa de entrada.

[mc4wp_form id=”8346″]


 
 

13 thoughts on “Olavo de Carvalho sofre campanha coordenada de censura nas redes sociais

  1. Prezado Olavo, tenho acompanhado os episódios de censura do Facebook e outras redes sociais.

    Gostaria de deixar como sugestão que você utilizasse, paralelamente a essas redes, a rede GAB(https://gab.ai/home), semelhante ao FACEBOOK mas sem censura.

    Atenciosamente,
    Douglas Lacerda

  2. lamentável em numerosas vezes o Facebook, tem mostrado que está do lado do governo corrupto por algum motivo está certamente preenchendo esse Facebook, dinheiro para tomar o direito de continuar a corrupção no Brasil, temos que cair em massa sobre o STF , para não deixá-los defraudar as eleições de 2018, portanto, presidente bolsonaro.

  3. Arrocha! Tudo que está acontecendo significa que está no caminho certo.
    Ninguem chuta cachorro morto.

  4. Sem dúvida, já passou da hora em que a maioria conservadora, no Brasil, se junte numa grande organização capaz de formar, através de mensalidade módica, uma rede social e televisão próprias. Venho dizendo isso a quase vinte anos… Mas, parece que muitos ainda não aprenderam a velha lição de Lênin (por incrível ironia…), no que se refere a afirmação de que “uma minoria organizada sempre vencerá a maioria desorganizada…”

  5. É evidente o desespero dos donos do mundo frente o descobrimento das amarras que foram impostas a muito tempo ao povo, o sistema vai cair junto com as utopias socialistas e comunistas e a liberdade será verdadeira.

  6. Obrigado professor Olavo. O trabalho que o Sr está fazendo só Deus pode recompensar. O nosso povo tão sofrido precisa dessa revelação dos fatos. Só ficam comendo comida digerida. Um abraço. O Brasil precisa de um batalhão de homens como o senhor. Vitor

  7. A razão do seu discurso me remete ao início da década de 90 quando surgiu e cresceu ostensivamente nos ambientes de estatais municipalistas, estaduais e federais o patrulhamento das esquerdas em relação aos funcionários que eram abordados nos corredores por elementos sindicalistas afim de com lápis e caderno nas mãos anotar em atrevido questionamento nossas preferências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *