Foro de São Paulo: Descubra quem é o maior inimigo do Brasil

Foro de São Paulo: Descubra quem é o maior inimigo do Brasil

20/12/2017 0 Por Raulf Effting

A organização mais perigosa da América Latina precisa ser identificada, como também é preciso revelar quem são os responsáveis pela sua criação e fomento


O Foro de São Paulo, além de ser a razão do governo do PT ter enviado bilhões de reais à Cuba, é fomentador do narcotráfico e da maior crise de assassinatos que já ocorreu no território brasileiro.

“Por quase duas décadas, os jornais e supostos oposicionistas brasileiros esconderam do grande público a existência do Foro de São Paulo, descoberto pelo advogado paulista José Carlos Graça Wagner, que o denunciou publicamente em 1º de setembro de 1997, e não faltou quem rotulasse seus denunciadores como “teóricos da conspiração”. De uns anos para cá, quando o Foro já tinha feito e desfeito governos em toda a América Latina, elegendo presidentes dos países do continente cerca de 15 membros da organização, seu nome começou a aparecer aqui e ali em reportagens, como se o Foro fosse apenas uma entidade como outra qualquer.” [1]

Breve História da Organização

Em setembro do ano de 1967, a ditadura cubana, com apoio da União Soviética, organizou, em Havana, um evento denominado Conferência Tricontinental dos Povos Africanos, Asiáticos e Latino-Americanos, que reuniu 83 grupos de mais de 20 países. O objetivo era “apoiar, dirigir, intensificar e coordenar operações guerrilheiras e terroristas nos três continentes”.[2] A Resolução Geral, que fora aprovada naquele encontro, serviu de base para o projeto que, mais tarde, viria a ser chamado de Foro de São Paulo, onde foi explicitamente decidido que os males do universo deveriam ser o ‘imperialismo ianque’.
Assim, com o êxito da Conferência Tricontinental, foi criada a OLAS (Organización Latinoamericana de Solidaridad), composta por inúmeros movimentos comunistas e “anti-imperialistas” da América Latina, que compartilhavam dos ideais da Revolução Cubana.

 

Em sua primeira declaração, a OLAS apostou na luta armada e na guerra civil através de guerrilhas como forma de estender a revolução, porém, após as reações dos militares dos países do continente americano, seus planos foram esfriando até que, finalmente, fora decidido que o plano deveria ser abortado e deixado na reserva até que chegasse o momento oportuno de ressuscita-lo.
No ano de 1989, Lula perde as eleições presidenciais para Fernando Collor de Melo e de 31 de maio a 3 de junho de 1990, ocorre o VII Encontro Nacional do PT, quando Lula decide convocar, junto com Fidel Castro, um encontro com todos os partidos e organizações comunistas/socialistas da América Latina, em virtude da crise do comunismo no Leste Europeu, para planejar como poderiam reviver o movimento. O encontro se deu entre os dias 2 e 4 de julho de 1990, e hoje é conhecido por Foro de São Paulo, ainda em plena atividade e realizando reuniões periodicamente. [3]

precisamos-falar-sobre-aborto-livro-pacote-1-exemplar

As Farc e o Foro de São Paulo

As Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), organização comunista que surgiu nos anos 60, é conhecida há muito tempo por ser a maior produtora de cocaína do mundo, movimentando, apenas no Brasil, R$ 15 bilhões por ano. Acontece que esta organização terrorista e criminosa, a convite de Fidel Castro e Lula, participou oficialmente do Foro de São Paulo e era possível encontrar o seu nome no site da própria organização, todavia, como a informação passou a vir à tona, ela foi ‘retirada’ do ar.

Entretanto, o próprio Hugo Chávez admitia o conluio com as FARC:

[av_video src=’https://youtu.be/BRW-fdcaMfM’ format=’16-9′ width=’16’ height=’9′]

No vídeo, Chávez confessa ter conhecido o presidente Lula e um dos então comandantes das Farc, Raúl Reyes — cuja eliminação pelo Exército colombiano no nordeste do Equador ele lamenta e furiosamente critica — na reunião do Foro de São Paulo de 1995, em San Salvador, capital de El Salvador, na América Central:

“Recebi o convite para assistir, em 1995, ao Foro de São Paulo, que se instalou naquele ano em San Salvador. (…) Naquela ocasião conheci Lula, entre outros. E chegou alguém ao meu posto na reunião, a uma mesa de trabalho onde estávamos em grupo conversando, e lembro que colocou sua mão aqui [no ombro esquerdo] e disse: ‘Cara, quero conversar com você.’ E eu lhe disse: ‘Quem é você?’ ‘Raúl Reyes, um dos comandantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.’ Nós nos reunimos nesta noite, em algum bairro humilde lá de El Salvador. (…) E então se abriu um canal de comunicação e ele veio aqui (…) e conversamos horas e horas. Depois, em uma terceira e última ocasião, passou por aqui também.”

As Farc e o PT

Em entrevista à Folha de S. Paulo de 27 de agosto de 2003, Raúl Reyes, comandante das Farc, fez as seguintes declarações:

Folha — O sr. conheceu Lula?

Reyes — Sim, não me recordo exatamente em que ano, foi em San Salvador, em um dos Foros de São Paulo.

Folha — Houve uma conversa?

Reyes — Sim, ficamos encarregados de presidir o encontro. Desde então, nos encontramos em locais diferentes e mantivemos contato até recentemente. Quando ele se tornou presidente, não pudemos mais falar com ele.

Folha — Qual foi a última vez que o sr. falou com ele?

Reyes — Não me lembro exatamente. Faz uns três anos.

Folha — Fora do governo, quais são os contatos das Farc no Brasil?

Reyes — As Farc têm contatos não apenas no Brasil com distintas forças políticas e governos, partidos e movimentos sociais…

Folha — O senhor pode nomear as mais importantes?

Reyes — Bem, o PT, e, claro, dentro do PT há uma quantidade de forças; os sem-terra, os sem-teto, os estudantes, sindicalistas, intelectuais, sacerdotes, historiadores, jornalistas…

Folha — Quais intelectuais?

Reyes — [O sociólogo] Emir Sader, frei Betto [assessor especial de Lula] e muitos outros.” [4]

Cronologia Resumida – PT/FARC/FORO

“· Abril de 2001: O traficante Fernandinho-Beira Mar confessa que compra e injeta no mercado brasileiro, anualmente, duzentas toneladas de cocaína das Farc em troca de armas contrabandeadas do Líbano.

· 7 de dezembro de 2001: O Foro de São Paulo, coordenação do movimento comunista latino-americano, sob a presidência do sr. Luís Inácio Lula da Silva, lança um manifesto de apoio incondicional às Farc, no qual classifica como ‘terrorismo de Estado’ as ações militares do governo colombiano contra essa organização.

revista estudos nacionais

· 17 de outubro de 2002: O PT, através do assessor para assuntos internacionais da campanha eleitoral de Lula, Giancarlo Summa, afirma em nota oficial que o partido nada tem a ver com as Farc e que o Foro de São Paulo é apenas ‘um foro de debates, e não uma estrutura de coordenação política internacional’.

· 1º de março de 2003: O governo petista estende oficialmente seu manto de proteção sobre as Farc, recusando-se a classificá-las como organização terrorista conforme solicitava o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe.

· 24 de agosto de 2003: O comandante das Farc, Raul Reyes, informa que o principal contato da narcoguerrilha no Brasil é o PT e, dentro dele, Lula, Frei Betto e Emir Sader.

· 15 de março de 2005: Estoura o escândalo dos cinco milhões de dólares das Farc que um agente dessa organização, o falso padre Olivério Medina, afirma ter trazido para a campanha eleitoral do sr. Luís Inácio Lula da Silva. O assunto é investigado superficialmente e logo desaparece do noticiário.

· 2 de julho de 2005: Discursando no 15º. Aniversário do Foro de São Paulo, o sr. Luís Inácio Lula da Silva entra em contradição com a nota de 17 de outubro de 2002, confessando que o Foro é uma entidade secreta, ‘construída para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política’, que essa entidade interferiu ativamente no plebiscito venezuelano e que ali, em segredo, ele próprio tomou decisões de governo junto com Chávez, Fidel Castro e outros líderes esquerdistas, sem dar ciência disto ao Parlamento ou à opinião pública.

· 9 de abril de 2006: O chefe da Delegacia de Entorpecentes da PF do Rio, Vítor Santos, informa ao jornal O Dia que “dezoito traficantes da facção criminosa Comando Vermelho — entre eles pelo menos um da Favela do Jacarezinho e outro do Morro da Mangueira — vão periodicamente à fronteira do Brasil com a Colômbia para comprar cocaína diretamente com guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Os bandidos são alvo de investigação da Polícia Federal. Eles ocuparam o espaço que já foi exclusivo de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar”.

· 12 de maio de 2006: O PCC em São Paulo lança ataques que espalham o terror entre a população. Em 27 de dezembro é a vez do Comando Vermelho fazer o mesmo no Rio de Janeiro.

· 18 de julho de 2006: O Supremo Tribunal Federal, sob a pressão de um vasto movimento político orquestrado pelo PT, concede asilo político ao falso padre Olivério Medina, agente das Farc.

· 16 de maio de 2007: O juiz Odilon de Oliveira, de Ponta-Porã, divulga provas de que as Farc atuam no território nacional treinando bandidos do PCC e do Comando Vermelho em técnicas de guerrilha urbana.

· 12 de fevereiro de 2007: As Farc fazem os maiores elogios ao PT por ter salvo da extinção o movimento comunista latino-americano por meio da fundação do Foro de São Paulo.

· Agosto de 2007: Nos vídeos preparatórios ao seu 3º. Congresso, o PT admite que seu objetivo é eliminar o capitalismo e implantar no Brasil um regime socialista; e fornece ainda um segundo desmentido à nota de Giancarlo Summa, ao confessar que o Foro de São Paulo é ‘um espaço de articulação estratégica’ (sic).

· 19 de setembro de 2007: Lula oferece o território brasileiro como sede para um encontro entre Hugo Chávez e os comandantes das Farc.” [5]

Discurso de Lula na celebração de 15 anos do Foro

Este discurso é, segundo Olavo de Carvalho, “a confissão explícita de uma conspiração contra a soberania nacional, crime infinitamente mais grave do que todos os delitos de corrupção praticados e acobertados pelo atual governo; crime que, por si, justificaria não só o impeachment como também a prisão do seu autor”:

“Em função da existência do Foro de São Paulo, o companheiro Marco Aurélio [Garcia] tem exercido uma função extraordinária nesse trabalho de consolidação daquilo que começamos em 1990… Foi assim que nós, em janeiro de 2003, propusemos ao nosso companheiro, presidente Chávez, a criação do Grupo de Amigos para encontrar uma solução tranquila que, graças a Deus, aconteceu na Venezuela. E só foi possível graças a uma ação política de companheiros. Não era uma ação política de um estado com outro estado, ou de um presidente com outro presidente. Quem está lembrado, o Chávez participou de um dos foros que fizemos em Havana. E graças a essa relação foi possível construirmos, com muitas divergências políticas, a consolidação do que aconteceu na Venezuela, com o referendo que consagrou o Chávez como presidente da Venezuela.

Foi assim que nós pudemos atuar junto a outros países com os nossos companheiros do movimento social, dos partidos daqueles países, do movimento sindical, sempre utilizando a relação construída no Foro de São Paulo para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política.”

Ora, o resultado disso foi desastroso, pois hoje a Venezuela está nas mãos de uma ditadura socialista e, seu povo, enfrentando a fome e a escassez de recursos básicos, além dos assassinatos e perseguições políticas.

Uma pequena conclusão

Entre as ações coordenadas do Foro, não está apenas o levantamento de dinheiro, mas também as cartilhas de educação, de forma a uniformizar as consciências; a promoção da criminalidade; o desarmamento e a supressão das soberanias nacionais.

Assim, vale relembrar que a Constituição Federal ressalta inúmeras vezes que o Brasil é um país soberano e que qualquer interferência estrangeira na soberania da nação é ilegal, ou seja, a participação do PT no Foro já seria motivo para impeachment nos anos anteriores, extinção de diversos partidos e a prisão de diversos políticos, como o Sr. Lula. Vejamos alguns trechos da CF:

Dos Princípios Fundamentais:

“Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I – a soberania;”

Dos Partidos Políticos:

“Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana e observados os seguintes preceitos:

[…]

II – proibição de recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiros ou de subordinação a estes;”

Da Ordem Econômica e Financeira:

“Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:

I – soberania nacional;”

Por fim, acima estão alguns artigos básicos da Constituição, posto que há, também, inúmeras sessões do Código Penal e Leis que preveem os crimes contra a soberania.


[1] Veja – Conheça o Foro de São Paulo, o maior inimigo do Brasil

[2] “O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial”, De Paola, Heitor. 2ª Edição, Editora Observatório Latino, 2015, p. 155.

[3] “O Foro de São Paulo”, Salgueiro, Graça. 1ª Edição, Editora Observatório Latino, 2016, p.20. Disponível em Livraria Pius

[4] Folha de São Paulo – ”As Farc têm todo o tempo do mundo”, diz comandante

[5] O perigo sou eu – Olavo de Carvalho