Conheça as piores palestras sobre aborto do congresso Figo Rio 2018

Conheça as piores palestras sobre aborto do congresso Figo Rio 2018

11/10/2018 0 Por Marlon

Começa neste domingo, dia 14 de outubro, o Congresso Mundial de Obstetrícia e Ginecologia FIGO 2018 no Rio de Janeiro. O evento internacional que seria oportunidade para dar foco em problemas de saúde da população, em especial as gestantes, terá dezenas de palestras e momentos com foco na questão do aborto. Não foi possível encontrar sequer uma palestra sobre aborto que não fosse pró-ampliação do acesso ao aborto.

O congresso ficou conhecido por estar realizando um curso de Tecnologias em Aborto, que ensinará aos participantes técnicas de abortamento no segundo trimestre incluindo a já banida em alguns estados americanos, técnica de aborto por “desmembramento”. Do mapeamento realizado, pelo menos 41 outras palestras e debates abordam o tema.

A lista abaixo mostra que a indústria do abortamento internacional implementa um plano agressivo para se fixar no Brasil:

  1. Quando começar a contracepção após um aborto médico;
  2. Regulação da objeção de consciência no aborto legal (palestra oferecida pelo Global Doctors For Choice, dos EUA);
  3. Perspectivas bioéticas e de direitos humanos da objeção de consciência dos médicos
  4. A grande via até a legalização (ciclo de palestras/painel, com 4 palestras);
  5. Novas fronteiras para o aborto: traduzindo as últimas evidências médicas e inovações para acessibilidade ao aborto, subtítulo: Simplificando e expandindo o acesso ao aborto médico;
  6. Inovações em protocolos e práticas para abortos tardios: novas evidências no acesso ao aborto para mulheres com mais de 13 semanas de gestação;
  7. A tele-medicina e delivery no aborto médico: evidências da nova abordagem no Tele-Aborto nos Estados Unidos;
  8. Inovações no acesso ao aborto e contracepção: aplicativos de Smartphone para auto-administração de abortos na Indonésia (palestrante da Indonésia);
  9. SMS como alternativa para acompanhamento do serviço de abortamento;
  10. Aborto médico por tele-medicina no serviço do Kenya;
  11. A facilitação do acesso ao aborto para áreas rurais do Nepal por clínicas comunitárias (palestrante do Nepal);
  12. Ciclo de palestras “Expandindo a idade gestacional para os serviços de aborto”. O ciclo possui palestras como “Avançando a idade gestacional passo a passo” (step-by-step);
  13. Ciclo de palestras: “Evidencias e valores: superando barreiras para o aborto seguro”, com palestras como: “Simplificando o aborto médico no Reino Unido”, “quando o aborto é ilegal: a epidemia de zica vírus e a magnitude do aborto no Brazil” (uma das poucas palestras feitas por brasileiros, neste caso, Débora Diniz);
  14. Ciclo de palestras oferecida pela National Abortion Federation (NAF), chamado: “Aborto no segundo trimestre: preparação cervical”;
  15. Ciclo de palestra feito pelo Bixby Center for Global Reproductive Health, que é um centro de pesquisa da Universidade da Califórnia, voltado para pesquisa sobre acesso universal ao aborto. O ciclo chama-se “Obstetras e ginecologistas como lideranças para o acesso e serviço de abortamento”, com módulos como “Reintegrando serviço de aborto no sistema publico de saúde NHS [da Inglaterra]”, “Integrando o aborto na educação médica”, “A liderança dos médicos na legalização do aborto no Uruguai e Chile”, “A liderança dos médicos na integração do serviço de abortos em centros de ginecologia e obstetrícia”
  16. Confira a lista completa no site oficial do congresso.

A Figo, enquanto Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia, é proprietária da revista científica de obstetrícia e ginecologia, em tese, mais respeitada do mundo – o International Journal of Gynecology and Obstetrics (IJGO). Uma revista científica que produz grande influência no meio acadêmico da medicina e da saúde pública.