A TV Brasil e o Governo do Grande Irmão

Em discurso recente, o senador Mão Santa (PMDB/PI) voltou a usar como referência o livro de Adolf Hitler, Mein Kampf, sobre o uso das comunicações, assim como as instruções do assessor nazista Goebbels, desta vez relacionando ao controle da programação da nova TV Brasil. O tom do pronunciamento foi de discurso histórico que merece permanecer na memória dos brasileiros como um marco na história nacional. Ele faz sérias denúncias amparado por argumentos de quem acompanhou de perto o processo de edição na emissora.
Utilizando artigos de jornalistas ligados à TV pública, Mão Santa citou o ex-presidente da Rádiobras, Eugênio Bucci que confessou ter passado maos bocados no cargo que ocupava para manter a independência do veículo durante os três primeiros anos do mandato do presidente Lula. Bucci foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores e militou nos anos 80 quando era estudante de direito. Hoje, jornalista, alega ter chegado a conclusão de que a tentação de comandar os meios de comunicação públicos existe em todos os partidos. Há muitos anos deixou de se engajar em causas partidárias e lutou bravamente pela independência da Radiobras.
Entre outras denúncias, uma editora da TV Brasil afirma ter recebido instruções para apontar como causa da epidemia de dengue no Rio de Janeiro, o fato de a oposição ter extinto a CPMF no ano passado.
Extremamente exclarecedor este discurso que, em breve, vai estar à disposição no site do Senado (www.senado.gov.br) transcrito na íntegra como todos os pronunciamentos das sessões legislativas.
O senador e médico Franscisco de Assis de Moraes Souza ficou conhecido como Mão Santa em sua terra natal, o Piauí, devido a ter curado uma paciente que o deu o apelido. Seus discursos são recheados de boas reflexões e relações embasadas que demonstram profundo conhecimento da teoria política clássica e dos verdadeiros conceitos democráticos e republicanos. Ele é conhecido por usar frases feitas como forma de relacionar conceitos elementares. Cita autores e referências das mais díspares e é capaz de unir num só discurso, personalidades que aparentemente não teriam qualquer semelhança como Maomé, D.Pedro II e o rei Salomão. No entanto, Mão Santa tem o dom de estar sempre se referindo aos problemas e quetões mais atuais do nosso País. Atentai bem aos discursos deste grande homem.
Escritor, Jornalista e pesquisador de mídia, mestre em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Autor do livro “A Transformação Social: como a mídia de massa se tornou uma máquina de propaganda (Estudos Nacionais, 2016)” e colunista no site Estudos Nacionais e um dos fundadores da RádioVox. Colaborador do site Mídia Sem Máscara e aluno do filósofo Olavo de Carvalho desde 2009.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta